Faz pouco tempo que me convenci de que a política municipal é a mais importante para a transformação de uma sociedade. Tem a ver com aquela frase do Franco Montoro que diz que “Ninguém vive na União ou no Estado. As pessoas vivem no Município”, mas não só por causa do espaço geográfico – e tenho certeza que a frase tinha uma conotação mais ampla. O município desempenha um papel fundamental porque são as ações de sua responsabilidade que de fato podem mudar a cabeça, os hábitos e as perspectivas dos cidadãos.

Claro, o papel dos estados e da União é extremamente importante na mudança de uma sociedade, principalmente porque são eles que respondem direta e indiretamente por boa parte da renda da população e que definem os rumos da economia. Foi a política nacional que proporcionou uma vida melhor, tirando da pobreza e fornecendo alternativas de educação e emprego, a milhões de pessoas. Foi ela também que deu ao Brasil protagonismo nas relações internacionais, por exemplo.

Mas é no município que se dão as transformações pequenas do dia-a-dia, justamente aquelas que mudam mais profundamente corações e mentes.

Percebi isso mais claramente assistindo ao programa Londres Assim, um dos vários sobre a capital britânica nesse período de Olímpiadas, no GNT. Hoje, segundo o programa, 95% dos habitantes da cidade vão trabalhar de transporte coletivo, de bicicleta ou a pé. Incrivelmente, há menos carros circulando pelas ruas de Londres hoje do que há 10 anos. E isso não é assim por acaso, e aí entra o ponto que me deu o clique.

Há cerca de 40 anos, foi proibida a construção de estacionamentos em edifícios comerciais. O metrô, isso é fato mais conhecido, é o mais antigo do mundo, e funciona tremendamente bem. As linhas de ônibus são muitas e muito frequentes, além de muito bem sinalizadas (sem falar que boa parte da frota é ecológica). Entrar de carro na área central exige o pagamento de um pedágio bem carinho. E, muito importante, o cidadão londrino respeita o ciclista. A cidade é cheia de ciclovias e toda sinalizada para o uso de bicicletas. Aquelas alugáveis estão espalhadas por toda a área central.

Nada é muito barato. Nem ônibus, nem metrô, nem alugar bicicleta. Mas mais caro ainda é pagar para ter carro, já que ele não é prioridade na cidade. Estacionar é superdifícil, o trânsito é lento, ir de um canto a outro de carro demora mais do que de metrô e, muitas vezes, mais do que de bici.

Ainda assim, mesmo o transporte individual não sendo prioridade, o trânsito consegue ser caótico em determinados pontos e horários. Imagina se o número de veículos tivesse aumentado. Como seria a vida da cidade? Como estaria a qualidade de vida de seus cidadãos?

Agora imagina isso em Porto Alegre.

Incentivar o uso da bicicleta não é uma excentricidade defendida por gente alternativa. É uma opção de modelo de cidade. Que funciona, até na fria e chuvosa Londres. Optar por qual cidade queremos é optar pela nossa qualidade de vida.

E o transporte é só o tema que me toca mais, mas há muitos outros. A importância da política municipal está justamente no estabelecimento de prioridades sociais. A existência de espaços públicos de convívio social é outra questão importantíssima, por exemplo. É uma questão urbanística, mas que tem impacto em diversas áreas, já que incentiva a vida em comunidade, humaniza as pessoas, proporciona espaços de convívio. E reflete em uma cidade mais saudável e uma sociedade mais feliz.

6 Comentários

  1. [...] Faz pouco tempo que me convenci de que a política municipal é a mais importante para a transformação de uma sociedade. Tem a ver com aquela frase do Franco Montoro que diz que “Ninguém vive na Uniã…  [...]

  2. bem legal CRIS, na EMATER/RS estamos providenciando um estacionamento para as bici, um vestiário para um banho se necessário e armários para guardar as mochilas. Vamos que vamos, E eu to indo, muitas vezes de bice…levo 10minutos e de carro 15…abr..

  3. Pablo disse:

    Essa última imagem resume bem o aspecto feio dos fios, filas de carro e poluição.

  4. Eu adoraria – e lamento não poder fazer isso — ir trabalhar de bicicleta aqui em Porto Alegre. Espero que um dia eu possa fazer isso.

  5. Lau disse:

    Carlos, eu já vou ao trabalho de bici faz tempo. É o meio mais rápido atualmente (para mim, mais rápido do que ônibus e carro, pelo menos). Agora, com as ciclovias no caminho, meu trajeto está melhorando bastante e já vejo que isso impactou bastante no quesito “respeito ao ciclista”.

    A partir de outubro, a prefeitura tem previsão de instalar também o sistema de aluguel de bicicletas, que acho que poderá melhorar ainda mais essa relação bike-carros-cidade. Vejo que Fortunati está investindo bastante em propostas para a mobilidade, focadas no uso da bicicleta, e acho que é nisso mesmo que precisamos investir agora, pois não há mais como continuar privilegiando o uso de carros.

Comentários