Superpopulação e as metas do milênio

A população mundial pode chegar a 10 bilhões até 2050. Já são quase 7 bilhões, segundo estimativas da ONU. Matéria do Jornal do Comércio de ontem, 12, relata que 156 países vão recontar seus habitantes nos próximos dois anos. Se só no Brasil já é mobilizado um verdadeiro exército de 190 mil recenseadores para auferir seus quase 200 milhões de pessoas, imagina a quantidade de gente para entrar na casa de mais de 6 bilhões. É 30 vezes a população brasileira.

Os números assustam. Nas próximas décadas, o boom demográfico deve continuar, o que significa mais necessidade de energia, de moradia, de comida, de infraestrutura, em uma maioria de países que não dão conta de distribuir esses direitos de forma igual. A vantagem é que Brasil e América Latina agora contam com a maioria de sua população em idade ativa, o que melhora a economia. Não é mais preciso que uma pessoa trabalhe para sustentar outra. Como desemprego já não é mais a principal preocupação do país (foi o que responderam os gaúchos em pesquisa divulgada ontem, 12, na Zero Hora), a situação é positiva.


Crise prejudica cumprimento das metas do milênio

O que preocupa mesmo é o que está na página ao lado no Jornal do Comércio. As matérias são independentes, mas seu conteúdo está estreitamente ligado. A crise mundial pode comprometer o cumprimento das regras do milênio no nosso continente, segundo a Comissão Econômica para América Latina e Caribe (Cepal). A principal das metas afetadas pela crise que começou em 2008 é a redução da pobreza pela metade, que se pretendia conseguir até 2015.

Se a redução da pobreza diminuiu seu rumo e a população só aumenta, a sitaução tende a se complicar. A proporção de pessoas que saem de condições de vida degradantes tende a se tornar cada vez menor.

A boa notícia é que o Brasil está entre os três países da região que já cumprem a meta de reduzir a pobreza pela metade, junto com Chile e Peru. O país historicamente marcado pela sua desigualdade agora mostra os resultados de um governo preocupado com o social, que efetivamente investiu na sua população e reduziu as diferenças.

Superpopulação e as metas do milênio

Um comentário sobre “Superpopulação e as metas do milênio

  1. Cara Cris,

    recomendo que você estude a relação desta matéria com questões socioambientais. Os estudos existentes, começando pelo relatório do “Clube de Roma” (fim dos anos 60), indicam que o planeta não tem capacidade para sustentar esta população humana toda. Veja os desastres climáticos que têm se intensificado nos últimos anos no Brasil.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s