Um começo frustrante para a política de juventude no RS

Por Leopoldo Vieira

Apesar de ter dado um exemplo de apoio à renovação e transição geracional, indicando o ex-diretor da UNE (2003-2005) Vinícius Wu, 29 anos, para ser seu chefe de gabinete, o desenho institucional para desenolver políticas públicas de juventude apresentado pelo governador gaúcho Tarso Genro gerou descontentamento generalizado, em todas as tendências do PT local e tende a se ampliar para outras juventudes partidárias da base de apoio e movimentos juvenis.

Pelo formato proposto, uma “Divisão de Juventude” ficaria subordinada a um departamento, por sua vez subordinado ao secretário de Justiça e Direitos Humanos. Neste departamento estariam outras “divisões”, como portadores de deficiência e igualdade racial.

Uma pasta de terceiro escalão, sem recursos humanos e financeiros e sem condições, portanto, de ser articuladora de políticas e relações com a sociedade civil, sem autoridade para realizar monitoramento e proposições de ações, projetos e programas voltados aos jovens e sem executar nenhuma iniciativa de peso, já que Pronasci, ProJovem e a versão “gaúcha” do Pronasci, que o governador vai criar, ficarão alocados em outras pastas. Sem contar que a associação de Juventude com “Justiça”, ainda mais quando a Secretaria em questão é a responsável pela gestão da versão da “FEBEM” do Rio Grande, e tem a maior parte do seu orçamento voltado para essa função, é extremamente ruim, ressuscitando o simbólico de “jovem problema” tão projetado no governo tucano de Yeda Crusius, que nada fez pelos jovens do estado, ao contrário: aprofundou índices negativos de exclusão sócio-cultural.

Uma experiência semelhante a que o governador quer fazer no Rio Grande do Sul já foi feita no Pará, no governo de Ana Júlia, e justamente pela mais completa condições de ação política da “área de juventude”, o resultado não foi dos melhores, basta saber que era impossível fazer material de juventude na eleição sem vincular o balanço de quatro anos com as propostas da reeleição – elaboradas criticamente pelo Comitê de Juventude -, sob o risco de emagrecer sobremaneira o “balanço positivo”.

Não imagino como “a vitória da Unidade Popular pode recolocar o Rio Grande na vanguarda da inovação em termos de governança democrática em escala global”, sem considerar o papel dos jovens – somado ao bônus demográfico – ao desenvolvimento econômico, cultural e político.

Assim o novo governo mal começa e já põe na ordem do dia um retrocesso, o que contrasta com a prioridade que Tarso deu à juventude em sua passagem pelo MEC e pelo Ministério da Justiça.

A sugestão de post foi do Murilo Amatneeks, da Executiva Nacional da Juventude do PT.

Um começo frustrante para a política de juventude no RS

Um comentário sobre “Um começo frustrante para a política de juventude no RS

  1. Oi, Cristina, meu nome é Luciano, moro em Goiânia, formado em História pela Universidade Federal de Goiás, e na época da militância estudantil eu escrevia alguns textos, e criei um blog há muito tempo a fim de postar alguns dos textos que escrevi. Agora eu resolvi reativar o blog, fazer dele um blog bem sujo, e voltar a militar novamente, depois de ter trabalhado muito pela internet durante a última campanha eleitoral para presidente, seja respondendo a e-mails mentirosos de Soninha Francine/Serra, seja no twitter. Dessa forma, informo à senhora que estou te seguindo e peço para que coloque o link de meu blog em sua lista, fico muito agradecido e parabéns pelo seu trabalho. Valeu! – http://asarvoressaofaceisdeachar.blogspot.com/

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s