O mundo enquadrado

Tem gente que tem fórmula pra tudo. “Prefiro homens de cara fechada, eles são mais confiáveis.” Ouvi isso semana passada, em um restaurante em Gramado. Era uma mulher de seus 30 e poucos anos na mesa ao lado que não parava de falar. Com ela, havia outras três pessoas, mas só se ouvia sua voz. Ela achava que tinha adquirido experiência suficiente para compreender o mundo, e categorizava pessoas.

Todos respondiam, no discurso da moça, a um parâmetro pré-estabelecido. Sem erro. Não havia margem para a criatividade ou para a personalidade.

Aquele discurso reduzia o mundo e as pessoas a uma simplicidade falsa. Facilita a compreensão das coisas, mas tira-lhe seu encantamento e sua verdade. Ela acredita em algo que não existe e torna-se um tanto medíocre na sua crença. Talvez assim seja melhor, mais fácil. A gente se preocupa menos, se cansa menos e se estressa menos. Uma vida mais simples, mas com menos sentido.

No mundo, existem 6 bilhões de pessoas, com previsão de chegar a 7 bilhões em 2013. Será que todas elas se enquadram na fórmula da loirinha balzaquiana que não deixava os amigos falarem enquanto engolia seu fondue (aliás, recomendo o fondue de Gramado – fora de época os descontos são ótimos)?

Não consigo enquadrar meus amigos – e meus nem tão amigos – em definições perfeitas e inamomíveis. Não adivinho o que eles pensam ou como vão agir. Surpreendo-me com eles. É verdade que às vezes acontece decepcionarmo-nos. Mas também ocorre de nos surpreendermos positivamente.

Quer algo mais sem graça que uma vida previsível, em que tudo são fórmulas? Se eu assim quisesse, teria feito matemática, mas apenas para descobrir que nem as ciências exatas nos fornecem exatidão em todos os momentos. Que também a matemática e a física nos permitem criatividade – que o digam os prêmios Nobel nessas áreas.

Não quero, pois, o mundo da minha vizinha de mesa. Quero o mundo que eu não conheço, para fazer ter sentido a experiência de viver nele.

————

O quadro “Gente Sorridente” é de María Burgaz.

O mundo enquadrado

5 comentários sobre “O mundo enquadrado

  1. Laurene Veras disse:

    Há grandes escroques de “cara fechada”. Qta tolice. To contigo, há coisas que são sem receita.

    Sem Receita
    José Miguel Wisnik
    Composição: José Miguel Wisnik e Alice Ruiz

    Primeiro lenta e precisamente
    Arranca-se a pele
    Esse limite da matéria
    Mas a das asas, melhor deixar
    Pois se agarra à carne
    Como se ainda fossem voar
    As cochas soltas
    Soltas e firmes
    Devem ser abertas
    E abertas vão estar
    E o peito nu
    Com sua carne branca
    Nem lembrar
    A proximidade do coração
    Esse não!
    Quem pode saber
    Como se tempera o coração

    Limpa-se as vísceras
    Reserva-se os miúdos
    Pra acompanhar
    Escolhe-se as ervas, espalha-se o sal
    Acende-se o fogo, marca-se o tempo
    E por fim de recheio
    A inocente maçã
    Que tão doce me deleita
    Nos tirou do paraíso
    E nos fez assim sem receita

    Curtir

  2. Mentes medíocres necessitam de fórmulas medíocres para lidar com o mundo, mas isso não torma o mundo mais previsível, torna-o frustrante!

    Frustrante porque as personalidades reais jamais se enquadram em algum estereótipo, assim as pessoas SEMPRE agem de forma que o medíocre não espera, que acaba por decepcionar-se.

    Mas ele não abre mão de sua fórmula falha: é incapaz de encarar o mundo sem seu sistema superficializante.

    []’s
    Cacilhας, La Batalema

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s