Zero Hora está em campanha

O principal jornal gaúcho quer a todo custo aprovar o projeto do Cais Mauá. Eles chamam de revitalização do Centro a ação de entupir a orla do Guaíba de prédios altos, carros e shoppings. A campanha é tão forte que não ouve opiniões contrárias. Aliás, sequer cogita sua existência.

Na edição deste domingo (20), a reportagem de capa informa que o Centro está sendo cada vez mais procurado por moradores da capital. Três páginas da editoria de Geral tratam da “redescoberta” do Centro. Uma redescoberta que ignora valores culturais, quase não mencionados. Fala, sim, na recuperação de prédios antigos, mas não no valor histórico que isso tem, apenas no valor comercial, imbiliário, de um Centro cada vez mais “limpo” e bonito, sem pobres e sujeira.

Malandramente falando

O projeto do Cais Mauá é a mais louvada das iniciativas, tanto que ganhou uma página só para ele. Que diz, em transcrição literal: “Urbanistas, profissionais envolvidos no processo de recuperação e representantes do mercado imobiliário acreditam que, sem a conversão sem a conversão do Cais do Porto em um polo de lazer e turismo, a transformação não estará completa”. Não, jura?!? Das três categorias citadas, as duas últimas são diretamente envolvidas – uma na execução e a outra será grande beneficiada financeiramente. Com relação à primeira, os urbanistas que eu conheço não concordam com isso, não.

A malandragem é tamanha que os representantes da sociedade que discordam da transformação do Cais do Porto em um complexo de empreendimentos em que alguns prédios chegarão a 100 metros de altura – os índices construtivos foram estrategicamente modificados com aprovação da Câmara de Vereadores – sequer foram citados como existentes. A reportagem deixa claro que toda a sociedade aprova o projeto de forma unânime. Se é maioria ou não, não sabemos, mas que há contestação, há, e o jornal descaradamente a omitiu.

Ignorou a existência de movimentos como o Porto Alegre Vive e o Comitê Popular Copa POA 2014, organizações de moradores, profissionais da área, além das discussões no Conselho Municipal de Desenvolvimento UrbanoAmbiental.

Enganou o leitor, manipulou a informação.

E aproveita para sutilmente pressionar o governador Tarso Genro para que ele não volte atrás na decisão de não enfrentar o complexo máfio-midiático – como diria o Sr. Cloaca – e aceite o projeto sem contestação, ao invés de promover um amplo debate popular.

Carrocentrismo

Outro ponto valorizado pela reportagem é a liberação de ruas para a circulação e espaços para o estacionamento de automóveis, “devolvendo a vida ao entorno”. Circulo pelo Centro há 24 anos. Nunca, em momento algum, faltou vida ao bairro, muito pelo contrário. A liberação de diversas ruas para que os carros pudessem circular até pode ajudar a desafogar o trânsito, mas é péssimo para os pedestres, que se espremem nas calçadas estreitas. Gostaria de ver os repórteres circulando a pé em dia de chuva para entender bem a que me refiro.

Mas “vida”, na concepção elitista de Zero Hora, só existe dentro de uma lataria sobre quatro rodas, símbolo de status. O Centro agora vale não porque é culturalmente efervescente, mas porque é “glamouroso”, nas palavras do jornal.

Ao mesmo tempo em que valoriza a liberação de ruas para que os carros circulem melhor – e os pedestres e ciclistas bem pior -, Zero Hora louva a iniciativa que vai atravancar o trânsito da entrada da cidade. Fica difícil vislumbrar a possibilidade de uma região mais sobrecarregada não sofrer severas complicações com a construção de um complexo como o que se pretende no Cais, com hoteis e salas restritas a quem os pagar.

Continuamos aplaudindo o transporte individual, a experiência de vida individual, a existência individual, no lugar de incentivar o transporte coletivo de alta qualidade, como seria possível com investimentos adequados e bem planejados, e os espaços coletivos de convivência urbana, que permitissem a troca de experiências e a integração comunitária.

Para a Zero Hora, o projeto do Cais é sinônimo de “futuro”. Resta saber que tipo de futuro.

Zero Hora está em campanha

A massa crítica pedala

Mais de 50 ciclistas se juntaram sexta-feira passada, dia 28 de maio, à noite, em Porto Alegre para um protesto. Seguiram um trajeto definido, tomando ruas da cidade, às vezes trancando o trânsito, mostrando que existem. Muita gente não gostou porque, do conforto de seus carros, sentiu-se impotente e demorou uns minutos a mais pra chegar em casa.

O movimento se chama Massa Crítica e se define como “a celebração da bicicleta como meio de transporte”. Conheci pelo Twitter e acessei o blog. Não vi nada na Zero Hora, procurei no Google Notícias, não encontrei absolutamente nada. São mais de 50 ciclistas reunidos de noite pelas ruas e ninguém dá nada. O que não interessa, não interessa, oras, é mais fácil ignorar.

Pois a Massa Crítica tem a proposta de fazer essas pedaladas toda última sexta-feira do mês. Fechando ruas, mostram que é chato não ter espaço para passar. Só que eles não podem atropelar um automóvel. E no dia-a-dia? Quando os carros são maioria, quando não se está em quantidade para exigir respeito, quando é o ciclista que se sente impotente.

Mas eu já disse aqui, não ando de bicicleta em Porto Alegre porque tenho medo. Medo dos carros, dos motoristas, da loucura do trânsito. Sei que seria muito melhor para mim e para o mundo. Mas não dá.

Tem uma coisa que eles dizem no blog que ninguém se dá conta: “Vamos exigir espaço e respeito no trânsito, vamos mostrar que não estamos atrapalhando o trânsito, nós somos trânsito”. Quer dizer, o trânsito não é só de carros. A rua não foi feita para automóveis. Por trás de cada volante está uma pessoa. É ela que importa. Somos nós, gente, humanos. A rua é das pessoas, o carro é só um meio de transporte. Como a bicicleta. Com a diferença que a bicicleta é menos poluente, mais saudável, não fica presa no trânsito, não incentiva a competição, uma opção mais inteligente.

Se os motoristas faltam com o respeito, aos governantes faltam iniciativas. Cadê a ciclovia de Porto Alegre?

E aproveita e mostra, com tudo isso, que dá pra começar um movimento só tendo vontade. Juntando gente.

Um pouco mais de lenha na fogueira: Discutindo a Massa Crítica.

A massa crítica pedala