#blogprog pela democratização da comunicação

Eram cerca de 300 pessoas dentro do auditório em um prédio de São Paulo. Sotaques diferentes, diversas culturas. Muitas nunca tinham se visto, moravam em lugares diferentes do Brasil, dos quatro cantos do país. O que os unia – o que nos unia – era a vontade de fazer comunicação com liberdade e em prol da democracia e da igualdade. A internet como meio, a solidariedade como fim.

Solidariedade entre blogueiros, como uma forma de defesa dos ataques da direita. E me permito divagar para explicar por que eram ali todos de esquerda e, se havia alguém que não fosse, tratou de não se manifestar. Não porque fosse proibido pela organização ou qualquer outra teoria de perseguição, mas porque a luta que se travava, a discussão que acontecia é em torno de um projeto de esquerda. Porque ainda que os conceitos de esquerda e direita venham mudando, quem deseja o progresso, quem defende igualdade e justiça, quem luta pelo social é a esquerda.

E a democratização da comunicação; a diversidade de vozes, culturas e opiniões; a denúncia do monopólio e da manipulação exercida pela mídia tradicional vêm em busca de maior democracia. Maior democracia é mais igualdade. Quanto mais pessoas têm acesso aos bens – sejam eles de consumo, alimentação, casa, carro, sejam culturais, como os meios de comunicação –, mais iguais são as condições sociais. Mais justa é a sociedade. Mais plural e, portanto, mais solidária.

Pela possibilidade de fortalecer a resistência ao que é dito nos meios tradicionais, com sua visão única e conservadora de sociedade, de intensificar a produção de conteúdo diversificado, de criar uma verdadeira rede de blogs que pelo menos incomode um pouco, que chame a atenção, por tudo isso é que o 1º Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas é um evento histórico. Metade do evento já se passou, o primeiro de dois ótimos dias.

Começou sem acesso livre à internet dentro do auditório, para não interferir na transmissão ao vivo para quem não pôde se fazer presente, mas com discussões úteis – não apenas teóricas, mas práticas – para viabilizar a existência, a manutenção e o fortalecimento dos blogs. Começou lotado. Começou plural. Divertido. Efetivo. Com projeto para o futuro. Começou promissor.

————–

Prometo incluir fotos segunda-feira.

#blogprog pela democratização da comunicação

Na hora do #blogprog

Parecia tão longe quando ouvi falar a primeira vez, e já está acontecendo. Cheguei atrasada, no fim da manhã, mas estou no 1º Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas.

O Encontro é a possibilidade de fortalecer a rede de blogueiros do país inteiro. De se abastecer de estímulo para continuar, ampliar, multiplicar o que temos feito por aqui. De estabelecer um marco histórico da luta pela democratização da comunicação, especialmente esta que vem se destacando como a forma mais eficiente e prática de somar vozes, de quebrar hegemonias e paradigmas.

Pela internet, já é forte. Já há uma rede, uma mobilização. Mas parece que pessoalmente as coisas ganham outra dimensão. E daí a importância de ver o rosto, conversar, conhecer o jeito de cada um dos blogueiros que a gente lê diariamente e que furam o bloqueio da mídia tradicional.

Meu muito obrigada

Por isso tudo que agradeço muito ao pessoal que tomou a iniciativa de fazer acontecer esse encontro. Da primeira ideia à execução final. E que fez com que blogueiras como eu, do RS, tivessem alojamento e alimentação, além de desconto na passagem, possibilitando que estivéssemos todos lá.

Na hora do #blogprog

Marcelo Branco e a #caravanadigital em Porto Alegre

Enquanto os palestrantes falavam, ouvia-se o bater das teclas dos computadores. Levantando a cabeça, o resultado podia ser observado no telão. Tuiteiros divulgando o evento enquanto ele acontecia, através de um acesso livre a internet sem fio. A notícia sendo produzida, repercutida e comentada no exato instante em que ela acontecia. Um evento multimídia.

Tudo isso foi ontem, dia 16, no comitê estadual de campanha da Unidade Popular pelo Rio Grande, a coligação da candidatura de Tarso Genro ao governo do RS. Mas o nome da noite veio da coordenação da campanha a presidente. Marcelo Branco é responsável pela parte digital da campanha de Dilma Rousseff, e vem realizando sua #caravanadigital por vários estados brasileiros. O Rio Grande do Sul foi o 22º.

Valeu muito vestir o casaco, colocar as luvas e enfiar a touca para ver Marcelo falar sobre a disputa que se dará nos meios tecnológicos pela liberdade de comunicação, enfatizando que as novas tecnologias não são a solução dos problemas por si só. Muitas disputas virão e temos que estar preparados para garantir o nosso espaço, para não deixar que sejamos controlados e manipulados.

“A humanidade nunca tinha experimentado uma organização comunitária que não tivesse como referência a base geográfica.” Hoje as pessoas podem estar longe, mas se organizam para ações comuns, e de forma não-hierárquica, como era de praxe em qualquer estrutura, seja na área da comunicação, da política, empresarial… A comunicação na internet não é gerada por um centro que a dissemina, ela é multidirecional, horizontal. Ou seja, somos todos receptores e geradores de conteúdo.

Eu tenho a força: o poder está com cada um, com todos

As consequências são as melhores possíveis: um empoderamento do indivíduo de forma nunca antes vista. Não estamos mais interessados só em produzir conteúdo para todos os públicos. “Não tem como ser diferente quando teu público tem a mesma possibilidade tecnológica que tu como produtor de conteúdo.” Qualquer um pode subir vídeo pra rede, postar num blog, fazer o que quiser, organizar de alguma forma a vida em sociedade. A troca é gigante, e isso é fascinante.

Ele sabe que dificilmente a internet vai mudar votos através de alguma intervenção nos blogs e sites de esquerda ou nas redes sociais. Quem está ali é um pessoal mais engajado, normalmente já definido. O mais importante é entender a rede como um espaço de organização dos nossos argumentos e conteúdos para mobilizar a militância para atividades offline. A própria Caravana é um exemplo disso. Pela rede o pessoal se juntou e se encontrou fisicamente em Porto Alegre, como já tinha feito em outros 21 estados.

E é como tanta gente tem se mobilizado ao redor do mundo, em passeatas, manifestações de rua… E o bacana é que é um círculo que não acaba. Pela internet se mobilizam pessoas para ir à rua. Lá se faz barulho na hora, mas também se constrói um vídeo, que é postado na rede e continua fazendo barulho e incentivando para que mais eventos sejam organizados.

—————-

As duas últimas fotos são de Bruno Alencastro/Sul21.

Marcelo Branco e a #caravanadigital em Porto Alegre