Uma Europa que não é mais a mesma

Não, não é engraçado, mas é um tanto irônico. Quando a ministra da Saúde da França, Nora Berra, comete um “lapso” e diz para os sem-teto não saírem de casa durante o inverno, ela sem querer evidencia essa grande transformação por que passa o mundo e explicita que a sua França já não é mais a mesma. Foi um lapso. Mas um lapso de quem: a) não está acostumada a lidar com esse tipo de problema; b) não costuma considerar muito importante essa gente pobre que normalmente não vota. O problema é ter quem comete esse tipo de lapso no poder.

A letra ‘a’ diz respeito ao empobrecimento da Europa. À crise. A uma França diferente da de alguns anos atrás, uma França diante de problemas de “terceiro mundo”. Fui a Paris pouco tempo atrás, na metade de janeiro. Sabia da crise, sabia do desemprego, sabia do empobrecimento. Mas não imaginava a quantidade de sem-teto que eu veria por lá. Às 2h da madrugada, hora em que o metrô fecha nos fins de semana, todos os bancos de uma estação da periferia serviam de cama. Em Londres, naquela Inglaterra onde a crise também está pegando, é nítido o aumento de moradores de rua a cada mês, pelo menos pelos últimos seis meses. É o retrato de uma Europa que há séculos não existia desse jeito. Pobreza houve muitas vezes. Gente na rua, também. Desigualdade, muita. Mas nunca antes no mundo capitalista a Europa se via deixando de ser a referência, perdendo importância, vendo-se obrigada a pedir ajuda a países do Sul. Nunca antes ela via inverter o cenário da geopolítica mundial como agora, tendo que buscar alternativas em exemplos do Sul. E principalmente, vendo que esse “Sul” de que a gente fala não é um país, mas vários. Um momento em que o mundo fica cada vez mais multipolar.

Vamos com calma, o Brasil ainda não é mais importante que a Europa como referência mundial, e possivelmente não venha a ser. Mas o importante do que está acontecendo agora é que os países do Sul, especialmente da América Latina, crescem com uma política de inclusão enquanto os europeus encolhem ao mesmo tempo em que excluem. São movimentos inversos, e isso é fundamental para entendermos o que está acontecendo. E, apesar de nossa desigualdade ainda ser enorme, aqui, ao contrário da Europa, o Estado funciona, como testou a Katarina Peixoto em Porto Alegre.

O lapso da ministra não é simplesmente uma gafe, o que nos leva à letra ‘b’. É o lapso da ministra de um governo conservador, reacionário, que fala nas classes mais baixas apenas por obrigação, para não ficar feio, e não porque realmente se importe com elas. Um governo que não pensa de verdade em como as pessoas se sentem na rua no frio. Há quase um mês, quando estive em Paris, o frio já era considerável, com temperaturas não muito distantes de zero. Para mim, protegida com um casaco carésimo que comprei com medo do inverno europeu e hospedada em um hostel pra lá de ruim, mas com calefação, já era difícil. Agora imagina pra quem tem pouca roupa e nenhum teto e com um frio muitos graus mais cruel do que aquele, com neve.

Os sem-teto se multiplicam na Europa não só porque ela está em crise, mas porque ela está recheada de governos conservadores. Governos cujas medidas fazem aumentar a crise, o que leva a que se elejam governos ainda mais conservadores (pelo medo que o povo lá tem mostrado sentir, a exemplo recente das eleições espanholas). Mas mesmo em tempos sem crise, ou pelo menos sem uma crise tão grave, é normal a desigualdade crescer durante governos de direita, como nos mostra o Reino Unido. Aumenta o desemprego, fica ainda mais difícil subir de classe social e mais fácil cair. É a tendência natural de governos que governam para o mercado, para as elites de que fazem parte, e não para o povo, para o país. O que assusta é que a direita ganha cada vez mais força. E não é só uma direita moderada. Muitas vezes extrema, ela ganha espaço na França (Marine Le Pen é ameaça nas próximas eleições), na Espanha, na Itália, no Reino Unido etc. etc. À medida que ela ganha espaço, aumentam os os índices negativos dos países, mas ninguém parece perceber muito a relação entre as duas coisas. Não é tão óbvia?

P.S: A foto, da agência AFP, é na Itália, onde o frio está castigando e o governo é ainda pior, tendo passado de um conservador maluco pra um indicado do mercado financeiro alçado ao cargo por um golpe de Estado.

Uma Europa que não é mais a mesma

A vida em Londres volta ao normal – ou quase

Cris Rodrigues, adaptado do texto publicado no Jornal Sul21 

As já muito frequentes e barulhentas sirenes de Londres parecem ter se multiplicado no começo da semana. A elas, somaram-se o barulho de helicópteros sobrevoando a cidade e 16 mil policiais perambulando pelas ruas. No quarto dia da onda de manifestações que varreu a capital britânica, muitas lojas fecharam as portas no meio da tarde. Em Kentish Town Road, uma avenida relativamente distante de qualquer distúrbio, uma pequena tabacaria familiar era um dos poucos estabelecimentos abertos às 20h de terça-feira (9). Dentro, duas mulheres estavam tranquilas e sem medo, mesmo vendo a filial de uma grande rede de supermercados do outro lado da rua de portas fechadas desde as 15h, sob o anúncio de que funciona até as 23h todos os dias da semana.

Era dia claro ainda, mas as ruas estavam quase vazias, longe do normal para uma cidade em que circula tanta gente o tempo todo. Terça-feira foi o dia em que mais sentia o medo no ar, sensação que acabou alterando a rotina de muita gente. Mas naquela noite não houve registro significativo de incêndio, depredação ou roubo, como os ingleses tinham visto nos dias anteriores. Ninguém entendia muito bem o que estava acontecendo ou, principalmente, por quê.

Sharon e Gurmit Johal, donas da tabacaria há 15 anos, não estavam assustadas, mas muita gente se recolheu cedo ou nem foi trabalhar, com medo de que algum protesto violento pudesse acontecer no meio do caminho. Andar nas ruas era estranho, pelo vazio de pessoas e pelo som de helicópteros sobrevoando a cidade, que remetiam a um clima de pré-guerra civil, como se algo muito grave estivesse a ponto de acontecer.

Mas não foi e não é uma guerra civil o que Londres viveu nos últimos dias. Além do estrago no local das manifestações, que em alguns casos deixaram um prejuízo enorme e, em outros, apenas quebraram umas poucas vitrines, houve alguns problemas com transporte, como ônibus que mudaram de rota ou estações de metrô fechadas, que foram rapidamente solucionados. Mas as vidas da imensa maioria dos londrinos não foi alterada mais do que algumas horas, e a maioria já não sentia medo ao andar nas ruas no dia seguinte.

Violência é reflexo de uma sociedade doente e desigual

Tudo começou com o suposto assassinato de um homem negro, popular em sua comunidade, por agentes da polícia britânica, na noite da quinta-feira passada (4). Dois dias depois, foi feito um protesto pacífico nas ruas do bairro de Tottenham, no norte de Londres, que registra altos índices de desemprego, maiores do que a média já elevada da capital. Mas o protesto acabou em incêndio de prédios, carros e ônibus. Ainda mal explicada, a morte de Mark Duggan foi a gota d’água para que a insatisfação popular tomasse as ruas em uma onda de protestos sem precedentes na história recente da Inglaterra. Ao mesmo tempo, tornou-se um subterfúgio, uma desculpa para saques, incêndio e depredação de bens materiais em diversos bairros da capital e em cidades do interior da Inglaterra.

Em lugares de perfis muito diferentes, alguns pontos havia em comum. Principalmente o fato de a grande maioria dos participantes ser muito jovem. Em Chalk Farm, por exemplo, perto do bairro de Camden Town, que ficou conhecido no mundo inteiro no mês passado por ser onde a cantora Amy Winehouse morava, o grupo não era grande e girava entre 16 e 25 anos, segundo o policial Gary Cooper, que na terça cuidava da rua que teve a vitrine de quatro lojas quebradas na noite anterior.

Ele era um dos 16 mil policiais que vigiavam as ruas de Londres acionados pelo primeiro-ministro inglês para conter a violência. O conservador David Cameron parece ser o principal interessado em não discutir as causas e em não buscar interpretar o que estes jovens estão querendo dizer. Ele repetiu ontem (qunta-feira, 11) a afirmação que havia feito no início da semana de que se trata apenas de “criminalidade, pura e simples”, quando o momento já não era mais de reagir rapidamente, mas de analisar as causas e procurar a melhor forma de encarar o problema. No mesmo pronunciamento, disse ainda que os envolvidos são muito jovens, e, portanto, não se trata de protesto político, mas de roubo. E jogou a responsabilidade para os pais, por não saberem onde e com quem seus filhos estavam. No único momento em procurou alguma explicação social, Cameron tratou de descartar qualquer relação com desigualdade: “As crianças crescem sem saber a diferença entre certo e errado. Não tem a ver com pobreza, mas com cultura. A cultura de glorificar a violência, desrespeitar autoridades e saber tudo sobre direitos e nada sobre responsabilidades”. Isso no momento em que a Inglaterra vive a pior crise econômica dos últimos 50 anos, segundo o prefeito de Londres, Boris Johnson, do mesmo partido de David Cameron.

Ainda que sejam mesmo crianças e adolescentes desorientados buscando apenas vandalismo, mesmo que não entoem palavras de ordem bonitas e não bradem por liberdade, igualdade e fraternidade, estes “rioters” são um reflexo de um problema social.

Foto:  Nigel Howard/Evening Standard/PA

A vida em Londres volta ao normal – ou quase

Para primeiro-ministro britânico, é só “criminalidade, pura e simples”

Cris Rodrigues, publicado originalmente na Carta Maior

Ken Smith é dono de uma loja em Brixton, bairro no sul de Londres em que houve um dos protestos considerados mais violentos da onda de ataques que tomou conta da capital inglesa entre os dias 6 e 9 de agosto. Ele estava lá, apesar de ser tarde da noite de segunda para terça-feira, e viu quando os jovens quebraram vitrines de lojas e colocaram fogo em carros. Sabe que eram muitos, mas não chuta quantos. Todos muito jovens, filhos de uma geração sem limites e sem perspectivas, na visão do lojista.

Ken Smith relaciona manifestações com diferenças de classe

Smith tem a sua explicação para os protestos que fizeram o mundo todo virar os olhos para Londres, embora ela não seja simples. Para ele, há diversas causas escondidas no que muitos vêem apenas vandalismo e que começou sábado (6) como um protesto legítimo contra o suposto assassinato de um homem por agentes da Scotland Yard, a polícia britânica, na quinta-feira passada (4), no bairro de Tottenham, que registra altos índices de desemprego. Enquanto a maioria acredita que os manifestantes sejam apenas criminosos se aproveitando da situação para roubar, ele sustenta que a violência dos últimos dias é uma questão social.

“Esta geração que nasceu lá por 1995 é de jovens excluídos socialmente. Eles vivem uma subcultura. Eu tenho 41 anos, e quando eu era criança eu sabia que, se estudasse e trabalhasse, eu ganharia dinheiro e teria uma vida boa. Hoje eles acham que podem ter dinheiro sem fazer nada.”

Provavelmente muitos dos adolescentes sequer soubessem quem era Mark Duggan e por que os protestos começaram. Mas alguma coisa os tirou de suas casas para que fossem às ruas em uma tentativa de chamar a atenção e saquear. A explicação simplista da vendedora de uma loja que não quis se identificar de que são apenas criminosos “procurando confusão” não convence. “Ninguém é pobre neste país”, reforça o segurança do estabelecimento. Mas então por que tanta gente teria essa índole supostamente má em um mesmo lugar ao mesmo tempo? É sinal de que alguma coisa não vai bem na terra da rainha.

Para Smith, falta educação, disciplina e valores, o que faz com que as crianças não entendam quando estão indo muito longe e ultrapassam os limites. Mas enfatiza que a questão não é racial, embora Mark Duggan fosse negro e há suspeita de que tenha sido assassinato por preconceito.

Ele diz que o problema vem de uma ou duas décadas atrás e reside na diferença de classes, muito marcada na Inglaterra, e incentivada pela mídia. “A TV, a música, tudo influencia para fazer de você quem você é. A TV diz o que você tem que vestir. As crianças querem roupas legais, tênis, celulares. E quando elas não têm as coisas elas ficam frustradas.”

O único policial que aceitou dar algumas informações – eles estão proibidos de falar com a imprensa – estava no bairro de Chalk Farm, no norte de Londres, onde algumas poucas lojas tiveram as vitrines quebradas e alguns de seus artigos roubados segunda-feira (8) à noite. Para Gary Cooper, o termo “riots”, em português “manifestações” ou “distúrbios”, que está sendo utilizado nos meios de comunicação, não se aplica à maioria dos grupos. “São só ladrões. Não estão protestando por nada, só roubando”, disse. Ali, em poucos minutos a confusão foi dissipada. Não houve fogo nem violência.

O fato é que os acontecimentos coincidem com o momento em que a Inglaterra vive sua maior crise nos últimos 50 anos – quem faz a afirmação é o prefeito de Londres, Boris Johnson, também do Partido Conservador, em artigo na edição de terça-feira (9) do jornal Evening Standard, distribuído gratuita e massivamente todas as tardes nas estações de metrô. E, em momentos de crise, quem costuma sentir as consequências são os mais pobres, através da redução de benefícios sociais e do desemprego.

Para ficar em poucos exemplos, este ano o governo do conservador David Cameron cortou bolsas de estudos nas extremamente caras universidades britânicas, ao mesmo tempo em que o valor das anuidades subiu. As restrições para o trabalho de imigrantes estão cada vez maiores, em um país em cuja capital se ouve quase mais línguas estrangeiras do que inglês nas ruas. Ainda que a maioria não tenha consciência do que gera a insatisfação, ela existe.

E o governo, ancorado nos meios de comunicação, não parece muito interessado em procurar explicações. Tem colunista de jornal até citando o filósofo Thomas Hobbes e seu estado de natureza para explicar o caos nas ruas inglesas, como se o problema residisse no excesso de liberdade e a solução estivesse em um governo forte, capaz de decidir por todos. Colocar 16 mil policiais nas ruas foi a única resposta do primeiro-ministro, enquanto afirmava que enfrentaria os criminosos com mãos de ferro, com frases que deixariam os defensores de direitos humanos de cabelo em pé, como estas: “Vocês vão sentir toda a força da lei. Se você tem idade suficiente para cometer crimes, você tem idade suficiente para encarar a punição”. Desta forma, ele joga toda a responsabilidade para os jovens e busca não refletir sobre por que a sociedade tem crianças e adolescentes que cometem esses atos.

A força policial de fato encerrou os protestos, e agora os londrinos dormem tranquilos. Garantir o metrô e os ônibus funcionando e as ruas em aparente tranquilidade parece o suficiente para Cameron. Já são mais de 1.100 pessoas presas na Inglaterra, 805 só em Londres, e assim parece que o problema foi solucionado. De fato, para quem trata uma manifestação social dessa magnitude como “criminalidade, pura e simples”, basta encerrar os ataques que a noite de sono tranquilo está garantida. Mas as pessoas continuam lá, o desemprego aumenta, a crise corrói.

Agora a situação está sob controle na Inglaterra, e a rainha pode ficar aliviada. David Cameron passou por um difícil teste ao controlar a violência, mas só o fato de ela ter começado e de ter atingido a proporção que atingiu já é suficientemente significativo de que o país não está navegando em mares tão calmos e sob controle. Resta saber se agora os olhos vão se abrir e gerar alguma reação política efetiva para a vida dos cidadãos e cidadãs ou se o governo vai continuar fingindo que não aconteceu nada além de incêndios, roubos e três mortes sem causa e sem importância social. Se tratar como um sangramento já estancado, ele vai voltar a abrir.

Para primeiro-ministro britânico, é só “criminalidade, pura e simples”

Liberdade com igualdade, sim senhor

Liberdade é fundamental. Mas ela só faz sentido se for para todos. Senão, e isso é muito importante de salientar, não liberdade.

Quando a liberdade de alguns ajuda a perpetuar desigualdades, o resultado é a restrição da própria liberdade.

Uns dias atrás, um comentário aqui no blog disse que “das ideias defendidas na independência americana (propriedade, igualdade e liberdade), a esquerda é mais inclinada a buscar um maior nível de igualdade, ainda que ao custo de uma maior restrição à liberdade de seus cidadãos, enquanto que a direita defende o contrário, um aumento na liberdade dos indivíduos, ainda que isso possa criar um pouco de desigualdade”.

Essa diferenciação é defendida por quem não acredita na possibilidade de existência de igualdade e liberdade ao mesmo tempo. Não acredita, portanto, na capacidade do ser humano de defender os seus iguais quando é livre para não fazê-lo. É um argumento interessante para justificar a desigualdade de nossas sociedades capitalistas. Interessante, mas falho. É coisa de quem baseia sua perspectiva de um ponto de vista cultural restrito. A ótica é sempre a americana. E ainda por cima distorcida.

Ainda que imperfeita, a Revolução Francesa, por exemplo, defendia a harmonia entre liberdade e igualdade, ainda com o acréscimo da fraternidade, em uma espécie de tripé da sociedade. No fundo, mesmo os americanos em sua independência defendiam a junção das duas (o brabo é aceitar a propriedade no mesmo patamar, como um valor social tal qual as outras duas – e antes que me critiquem, a grande diferença é que a liberdade e a igualdade visam o bem-estar das pessoas de um modo geral, o que não posso concordar que seja o objetivo da defesa da propriedade, mas continuemos). A noção de que igualdade e liberdade são incongruentes foi criada por aqueles que querem ser mais iguais que outros e precisam usar algum argumento para sustentar seu privilégio. Criam, então, um discurso falacioso, para convencer os demais.

Ao contrário da tese expressa no comentário, liberdade e igualdade só existem em sua possibilidade mais plena quando aplicadas em conjunto. A liberdade de que falam os defensores do livre mercado, por exemplo, anula-se quando gera desigualdade. Anula-se porque os mais desiguais, os considerados “inferiores”, os prejudicados na escala social não têm liberdade para agir e se expressar da mesma forma que os “superiores” (importante esclarecer que essa diferenciação entre “inferiores” e “superiores” refere-se apenas à posição social, não a características particulares).

No livre mercado, a liberdade é só para alguns. Não é, portanto, plena. Ou seja, não é liberdade.

A liberdade para todos nunca é total, porque baseia-se na velha máxima de que “a liberdade de um termina quando começa a do outro”. É impossível todos, ao mesmo tempo, fazerem tudo o que desejarem se houver vontades que agridam as vontades alheias. Por isso existem regras e leis, para regular a liberdade, de forma que ela exista em sua capacidade máxima, dentro das limitações da convivência social.

O mito da liberdade plena para todos é exatamente isso: um mito, uma falácia, defendida por aqueles poucos que a detêm dentro de um contexto de desigualdade. Quando apenas alguns são livres, insisto, não há liberdade.

Se o jornalismo dá voz a apenas poucos setores da sociedade e os outros não conseguem ter acesso aos meios de comunicação porque não têm condições financeiras – ou seja, por conta da desigualdade -, não há liberdade de expressão. Ela é restrita pelo mercado. Há liberdade de mercado, apenas. E é fundamental que não confundamos liberdade de mercado com liberdade, sem adjetivações.

É possível reduzir a desigualdade e restringir a liberdade ao mesmo tempo, o que não podemos aceitar. Mas a redução da desigualdade é, de um modo geral, uma fomentadora da liberdade, quando fornecidas as condições para que ambas aconteçam concomitantemente.

————-

Como bem citou a @fazendoanarcisa, retuitando o @diego_calazans: “Pafraseando Bakunin: ‘Liberdade sem igualdade é privilégio, igualdade sem liberdade é escravidão’.

http://twitter.com/#!/diego_calazans/status/29998332990464000

Liberdade com igualdade, sim senhor

A crise da esquerda europeia

Conversando com minha cunhada austríaca, tive uma noção de esquerda a partir dos olhos de um europeu. Existem muitos olhos europeus, é claro, ainda mais sobre a esquerda, mas qualquer um deles enxerga de forma diferente de qualquer um dos olhos latino-americanos, por razões óbvias.

Ela me falou de uma crise de identidade da esquerda, que identificamos por aqui, mas que por lá se manifesta de outro jeito. Os problemas lá são outros, e a crise vai justamente na forma de enfrentá-los. Explico melhor. Se por aqui, no Sul do mundo, a esquerda chega ao poder e parece difícil lidar com essa situação, em países ainda muito desiguais, na Europa a esquerda vem sendo substituída por uma direita em alguns casos mais moderada, mas em outros assustadoramente radical. Cito de cabeça o exemplo da Itália – que, aliás, vive uma das piores crises dentre os países europeus.

Lá, os problemas maiores de desigualdade entre os de origem europeia já foram sanados. Não é a sociedade ideal, mas os obstáculos são outros. Aparece com muita força, já há algum tempo, a questão da imigração, extremamente controversa. E dentro da esquerda não há consenso, muito pelo contrário.

Enquanto isso, na América Latina, as pessoas ainda querem sair de seus países, achando que do lado de lá do oceano as coisas são mais fáceis. Mas lá, nós nos transformamos no problema, somos os imigrantes. Os latino-americanos, os africanos, os chineses, principalmente os muçulmanos, são vistos na Europa como o grande problema a ser resolvido.

Encontrar formas de lidar com isso foge do discurso socialista simplista. Não adianta falar em regime comunista, isso já soa ultrapassado. Como falar, então? Quais são as soluções para o problema? Porque em teoria é simples. Os imigrantes são gente que está fugindo de alguma coisa. Da repressão, da miséria, da falta de emprego, da religião. Então, parece lógico fazer um esforço no sentido de integrá-los à sociedade. Mas é também uma gente que chega assustada, que muitas vezes não é bem recebida – e mesmo quando é, ainda é o diferente, o estranho. Chegar em uma terra que não é a sua, com uma cultura e costumes diferentes não é fácil. Uma forma de proteção é se fechar em espécies de guetos em que a cultura original é preservada.

De certa forma, isso é bom. Por outro lado, dificulta a integração. Como receber um muçulmano sem fazer sua mulher tirar o véu, mas de forma a que sua família participe da sociedade europeia como uma igual? E ainda conciliar todas as culturas diferentes em uma convivência comum. Difícil, né?

Pois bem, não venho propor soluções. Desculpem-me, mas não as tenho. Minha intenção é só avaliar por cima como anda mais difícil estabelecer um discurso de esquerda a partir do ponto de vista europeu. Só sei que a esquerda anda em crise de identidade, e com isso vai perdendo espaço. É preciso tomar cuidado antes que essa crise se prolongue demais e a situação comece a ficar mais preocupante.

A crise da esquerda europeia

As consequências da queda do muro de Berlim

MuroEm última análise, em visão histórica grosseira de quem não está apta a fazê-lo, pode-se dizer que a queda do muro de Berlim incentivou a adoção do neoliberalismo como sistema econômico e político. Não apenas a vitória do capitalismo sobre o socialismo, mas do neoliberalismo. Derrubar a barreira entre as duas Alemanhas foi um pouco internacionalizar o país, globalizar, diminuir o papel do Estado.

Mas venho falar da cobertura do Jornal Nacional de hoje sobre os 20 anos da queda do muro. Enquanto a Folha de S.Paulo entrevistou o historiador marxista Eric Hobsbawm e inverteu a perspectiva de análise do acontecimento histórico, o JN, apesar de ter dedicado bastante tempo ao tema, não saiu do óbvio. E o óbvio é que a queda do muro libertou pobres berlinenses que tinham seus direitos cerceados por um socialismo malvado.

Sim, o socialismo real foi incrivelmente falho. Cruel até. Mas o que o Jornal Nacional comemorou foi o fim da divisão do mundo entre dois sistemas. E deixou bem claro que a adoção do capitalismo foi a melhor – e a única – alternativa possível. Que não existe outra opção entre o consumismo desenfreado de um sistema capitalista de acumulação de capital e um socialismo que de socialista não teve nada. Isso não é verdade.

Na Folha de ontem – que eu analisei no Jornalismo B -, Hobsbawm ousa analisar o momento histórico a partir de uma perspectiva crítica. Diz que a queda do muro consolidou a hegemonia de uma única superpotência, o que gerou violência e desigualdade principalmente para a Europa oriental. Se a Guerra Fria entre duas potências não é a situação dos sonhos de nenhum humanista, a hegemonia de uma só nação e a imposição de uma única visão de mundo, de um só sistema econômico, de um só tudo, não é nada alentadora. Mas o JN comemorou essa hegemonia.

desigualdadeNão vou ao ponto de Hobsbawm – e quem sou eu perto dele? – de contestar tão enfaticamente os benefícios da queda do muro e do fim da Guerra Fria. Mas concordo completamente que o sistema que se originou a partir de então foi o responsável por perpetuar e agudizar a desigualdade. Não mais entre Leste e Oeste, mas entre “Centro” e “periferia”, entre “Norte” e “Sul”, “desenvolvidos” e “subdesenvolvidos”. E acima de tudo, uma desigualdade que o sistema impõe dentro de cada sociedade, entre classes.

O jornal foi manipulador também ao afirmar que Cuba ficou incrivelmente pobre – não lembro qual foi o superlativo usado, mas “pobre” foi o termo adotado – porque não se adaptou ao sistema. Ignorar o embargo econômico sofrido pela ilha é mentir, nesse caso. É dar uma meia verdade que não explica a verdade inteira. É manipular a informação em benefício de um ponto de vista.

As consequências da queda do muro de Berlim

Desigualdade a partir da riqueza

Riqueza-DesigualdadeUma das coisas mais interessantes no seminário Riqueza e Desigualdade na América Latina, que eu assisti essa semana, foi a perspectiva de que ele parte. Está no nome, mas demorei pra me dar conta. Na verdade, só percebi quando o coordenador, Antonio Cattani, disse com todas as letras.

Noventa por cento dos estudos sobre desigualdade são associados à pobreza. É preciso estudar também a ótica da riqueza. Pobreza e riqueza, segundo o sociólogo (seu currículo é realmente extenso e rico), estão interligadas. Uma existe por causa da outra. É tão óbvio, não? Só que a gente não vê.

A ideia corrente é de que a riqueza é boa. Ela é invejada, é a solução dos problemas. A pobreza, essa sim, é o problema. Essa é uma visão deslumbrada da riqueza. Na verdade já faz um tempo que eu insisto que é um absurdo existirem pessoas tão ricas e que o fato de elas existirem é que gera pessoas tão pobres – em muito mais quantidade. Mas o professor Cattani colocou essa questão de forma tão simples e clara…

4 mil pessoas têm renda mensal declarada de 120 mil reais
200 pessoas têm renda mensal declarada de 500 mil reais
138 pessoas têm renda mensal declarada de 27 milhões de reais

Nas palavras de Cattani: é uma mega sena por mês!

O poder, tido como a possibilidade de controlar o Congresso, a mídia, a cultura, a vida e a morte, ter impunidade, está nas mãos de muito poucos. O Brasil não é um país pobre, é uma potência. O fato de ter uma brecha social tão grande mostra que algo está errado. O que acontece é uma “apropriação privada do que é produzido socialmente”. A tese neoliberal de que, ao produzir riqueza, haveria um debordamento que beneficiaria os demais mostrou-se falha. Quem a desmistifica é Sonia Alvarez, também palestrante do seminário e citada por Cattani.

Em um resumo meu bastante grosseiro: para combater a desigualdade, para eliminar o problema da pobreza, é preciso combater a riqueza. Impedir essas grandes fortunas. Distribuir, em suma.

Desigualdade a partir da riqueza