Vice de Fogaça está entre os possíveis ficha-suja do RS

Lembra dos cristais do cérebro do presidente da Assembleia Legislativa do RS, Giovani Cherini (PDT)? Aquele deputado simpático, que defende uma “visão holística” de mundo, que parece bem intencionado, está na lista das candidaturas impugnadas pela Procuradoria Regional Eleitoral do RS. Corre o risco de não alçar voos mais altos, como pretendia. A campanha a deputado federal fica no aguardo.

Mais grave ainda, do ponto de vista de representatividade do cargo ao qual concorre, é a possível impugnação do vice na chapa de José Fogaça ao governo do estado. O ex-prefeito de Porto Alegre José Fogaça, do PMDB, que largou a administração municipal na metade do segundo mandato, tem-se mostrado orgulhoso da coligação que lutou arduamente para conseguir, com o mesmo PDT de Cherini (o primeiro dos sob suspeita citados). Pois escolheu mal o seu vice e corre o risco de ter de riscar o nome de Pompeo de Mattos da cédula. Fica feio, já no meio da campanha, mas quando a política é feita por interesses e não por afinidade político-ideológica, correm-se riscos.

Não é só Fogaça a registrar esse mal. A política interesseira, chamada já afetuosamente de politicagem, tem dessas coisas. Ela é bem ampla, atinge praticamente todos os médios e grandes partidos. Está presente na maioria das coligações, em tudo que é estado, em praticamente qualquer nível. No caso de Fogaça, talvez ele tivesse continuado apostando em Pompeo. Aliás, como de fato continuou, pois não é segredo o envolvimento do candidato (?) a vice com albergues ilegais, utilizados para captar votos (coisa feia!), o mesmo mal de Cherini.

E assim vai-se levando. Outro nome dos candidatos mais graúdos a ser colocado na berlinda e ver sua candidatura ameaçada é o petista Daniel Bordignon. Esse por causa das contas de quando foi prefeito de Gravataí, que não fecharam. Aliás, por ridículos R$ 6 mil, que, se para mim fariam toda a diferença, em campanhas políticas desse nível são uma miséria.

Duvido que a coisa vá longe. Aliás, pago pra ver. Saberemos no dia 19 de agosto, quando encerra o prazo do TRE para julgar os recursos. Mas interesses poderosos estão em jogo, principalmente no caso de Pompeo. Que, como bem lembra Marco Weissheimer, é vice de um candidato do PMDB, o mesmo partido do senador Pedro Simon, enfático defensor da lei que agora ameaça minar as pretensões de Fogaça. O mundo dá voltas…

—————–

A lista completa dos 28 candidatos cuja candidatura é contestada, puxada da Zero Hora:

Ausência de quitação eleitoral
André Bittencourt (PMN), candidato a deputado federal
Antonio Carlos Machado (PTB), candidato a deputado estadual
Flavio Luiz Silva de Souza (PDT), candidato a deputado federal
Jeovane Weber Contreira (PPS), candidato a deputado federal
João Eduardo Quevedo Reymunde (PTB), candidato a deputado federal
Jorge Luiz Drumm (PSDB), candidato a deputado estadual
Jorge Romeu Fonseca da Silva (PV), primeiro suplente de senador
José Oseas da Costa (PTB), candidato a deputado estadual
Luiz Filipe Vieira Correa de Oliveira (PV), candidato a deputado estadual
Mauro Pereira (PMDB), candidato a deputado federal
Ricardo Guimarães Moura (PSDB), candidato a deputado federal
Vera Beatriz Soares (PT), candidato a deputado estadual
Vilson Fernando Xavier (PTC), candidato a deputado federal

Rejeição de contas de gestores públicos
Claudio Jose de Souza Sebenelo (PSDB), suplente de vereador da Capital e candidato a deputado estadual
Daniel Bordignon (PT), deputado estadual e candidato à reeleição
Luiz Carlos dos Santos Olympio Mello (PSDB), apresentador de TV e candidato a deputado estadual
José Francisco Ferreira da Luz (DEM), candidato a deputado federal
Luiz Carlos Tramontini (PP), candidato a deputado federal
Luiz Carlos Repiso Riela (PTB), candidato a deputado federal

Abuso do poder econômico com sentença de inelegibilidade
Adroaldo Loureiro (PDT), deputado estadual e candidato à reeleição
Aloísio Classmann (PTB), deputado estadual e candidato à reeleição
Gerson Burmann (PDT), deputado estadual e candidato à reeleição
Giovani Cherini (PDT), presidente da Assembleia e candidato a deputado federal
Pompeo de Mattos (PDT), deputado federal e candidato a vice-governador

Condenação por improbidade administrativa
Reinaldo Antônio Nicola (PDT), candidato a deputado estadual
Sérgio Moraes (PTB), deputado federal e candidato à reeleição

Condenação criminal em decisão colegiada
Adão Moacir Gegler (PTC), candidato a deputado estadual

Demissão do serviço público
Simone Janson Nejar (PTB), ex-servidora do Tribunal de Justiça e candidata a deputada estadual

Fontes: Procuradoria Regional Eleitoral e TSE

Vice de Fogaça está entre os possíveis ficha-suja do RS

A toque de caixa

Melindrado pela movimentação contrário ao seu projeto para o terreno da Fase, o governo decidiu simplesmente passar por cima e aprovar a maracutaia a toque de caixa. Semana que vem vou publicar aqui um texto bem completo a respeito da Fase, com outras informações além das que já postei, mas afirmo que a cada dia cada nova descoberta me assusta um pouco mais. Já há até um projeto arquitetônico de photoshop para as unidades, para refutar a hipótese de que não se tem planejamento. Hoje, copio matéria que saiu na Zero Hora com a ideia de aprovar tudo em 15 dias. O jornal comemora, mas copio igual pra mostrar a que ponto chegamos. Que sirva de alerta.

Projeto da nova Fase é apresentado à presidência da Assembleia

Giovani Cherini tentará levar o projeto de lei à votação em Plenário em 15 dias

Atualizada às 13h26min

Maicon Bock | maicon.bock@zerohora.com.br

Para tentar acelerar a votação do projeto que prevê a descentralização da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Fase), o secretário da Justiça e do Desenvolvimento Social, Fernando Schüller, apresentou na manhã desta quarta-feira a iniciativa ao presidente da Assembleia Legislativa, deputado Giovani Cherini (PDT).

O parlamentar informou que somente um acordo de líderes poderá fazer com que a proposta seja votada em Plenário sem o parecer da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). A constitucionalidade da matéria seria avaliada ontem pela CCJ, mas acabou adiada. Segundo Cherini, se houver acordo, a intenção é levar o projeto de lei à votação em Plenário em cerca de 15 dias.

Acompanhado de membros do Judiciário e da Fase, o secretário defendeu a permuta da área do complexo da Padre Cacique, na Capital, para que se viabilize a construção de nove novas unidades espalhadas em áreas menores. Atualmente, cerca de 550 adolescentes são internos no complexo.

A ideia do governo do Estado é entregar a área de 73,56 hectares à iniciativa privada em troca da construção dos prédios. O valor que sobraria na negociação seria destinado a um fundo para a instituição. A iniciativa tem apoio irrestrito do Judiciário, mas sofre resistência de entidades que temem a remoção das famílias que vivem irregularmente na área. O governo nega que isso ocorrerá.

 

A toque de caixa

Como se sintoniza uma rádio? Por bolinhas de cristal. Nós também temos bolinhas de cristal dentro da nossa cabeça. É assim que nós nos sintonizamos uns aos outros. Pelas bolinhas de cristal ou pela aura. É isso que chamamos de espírito.

Giovani Cherini (PDT), presidente da Assembleia Legislativa do RS, no Bibo Nunes Show, direto do 5º Encontro Estadual de Terapeutas e Profissionais Holísticos