Imprensa e as soluções fáceis da “guerra” no Rio

Esses articulistas… Cito como exemplo o da Zero Hora, mas serve para tantos outros. Na página 8 da edição de hoje, Humberto Trezzi diz que “os PMs não alvejaram os criminosos do Complexo do Alemão em fuga” porque “ninguém, nem mesmo o mais fanático militarista, duvida das péssimas consequências políticas de uma chacina transmitida aos lares dos telespectadores”. Quer dizer, não matem pra não aparecer chacina na TV que fica feio, pega mal. O fato de se tirar vidas, ainda que seja de bandidos, é detalhe, não considerado. É a defesa da pena de morte – sem julgamento -, do “bandido bom é bandido morto”.

Evidente que não quero que o tráfico domine os morros cariocas. É claro que quero que a violência diminua o máximo possível, justamente para morrer cada vez menos gente, não mais. Mas está pra lá de provado que só repressão não resolve, que é preciso uma ação integrada de vários setores, com educação, inclusão social, oferta de serviços públicos de qualidade, já que muito da realidade dos chefes do tráfico e de todos os envolvidos com a atividade criminosa é fruto do meio em que se criaram; a gurizada às vezes não vê outra saída para as suas vidas. Em suma, é preciso oferecer dignidade a todos os setores da sociedade, abrir outras portas e escancará-las.

Mas isso é muito complicado, e as respostas prontas são muito mais fáceis. Assim, nossos jornalistas e articulistas noticiam a “guerra” do Rio como um filme, excitados com o clímax, o momento em que o Schwarzenegger vai aparecer e, com um dedo e sozinho, vai disparar contra todos os figurantes, matar todos. Felicidade total! O “bem” venceu o “mal”.

E no dia seguinte, chega outro guri, recém saído das fraldas, e toma conta de novo do morro. E o tráfico volta e cresce, sustentando parte da favela. E a repressão volta, as pessoas morrem e começa tudo de novo.

Engraçado que a edição desta terça-feira d’A Liga levou para as telas da Band o morro da Rocinha e a realidade das pessoas que vivem lá. Pessoas que trabalham, que vivem mal, sentem fome, mal têm teto para cobrir sua casa das chuvas. Mas que não gostam de drogas e morrem de medo que os filhos se envolvam com o tráfico, porque o amiguinho já fuma, já vende, já faz parte da rede, que tem tantas teias. Coincidentemente o programa foi ao ar esta semana, mas já estava na programação antes de ser deflagrada a “guerra” no Rio. Uma perspectiva mais humana da favela e menos cinematográfica, que não aparece por aí. Não interessa mostrar como vive gente pobre, só como morre.

—————-

Ando meio rancorosa, porque fico triste. Vejo a imagem de pessoas com armas na mão – de qualquer um dos lados, independente do motivo que os levou a segurá-las – e tento entender por quê. Qual a razão de segurar um objeto que, se acionado, é capaz de matar? Em que tirar uma vida de alguém melhora a vida de quem mata? Tirando do contexto do enfrentamento, parece tudo tão absurdo. Não faz mais sentido que vivamos em harmonia compreendendo que o outro é tão alguém quanto eu? Mas para isso é preciso que tenhamos harmonia sempre, e harmonia pressupõe igualdade. De direitos, de oportunidades.

Imprensa e as soluções fáceis da “guerra” no Rio

A verdade desnuda no Iraque

Por Robert Fisk, Pagina/12 e Carta Maior:

Como de costume, os árabes sabiam. Sabiam tudo das torturas em massa, do promíscuo assassinato de civis, do escandaloso uso do poderio aéreo contra casas de famílias, dos impiedosos mercenários estadunidenses e britânicos, dos cemitérios de mortos inocentes. Todo o Iraque o sabia. Porque eles eram as vítimas.

Só nós podíamos fingir que não sabíamos. Só nós no Ocidente podíamos rechaçar cada acusação, cada afirmação contra os estadunidenses ou britânicos, pondo algum digno general – vem à mente o porta-voz militar estadunidense Mark Kimmitt e o terrível chefe do estado maior conjunto Peter Pace – a nos rodear de mentiras. Se encontrássemos um homem que tinha sido torturado nos diziam que era propaganda terrorista, se descobríssemos uma casa cheia de crianças mortas num bombardeio aéreo norteamericano também era propaganda terrorista, ou “dano colateral”, ou uma simples frase: “não temos informação disso”.

Desde o começo sabíamos que sempre tinham. E o oceano de memorandos militares que se revelou este sábado voltou a demonstrá-lo. A Al Jazeera chegou a extremos para rastrear as famílias iraquianas cujos homens e mulheres foram assassinados em detenções estadunidenses – eu identifiquei uma porque a reportei em 2004, o veículo crivado de balas, os dois jornalistas mortos, até o nome do capitão local estadunidense – e foi o The Independent em edição dominical o primeiro a alertar ao mundo sobre as hordas de pistoleiros indisciplinados que eram levados a Bagdá para proteger diplomatas e generais. Esses mercenários, que abriram caminho assassinando, nas cidades do Iraque, insultaram-me quando eu lhes disse que estava escrevendo sobre eles, ainda em 2003.

É sempre tentador desacreditar uma história dizendo que “não há nada de novo”. A idéia da “velha história” é usada pelos governos para esfriar o interesse jornalísticos, pois serve para encobrir a inatividade jornalística. E é certo que os repórteres já viram antes algo assim. A “evidência” da participação iraniana na fabricação de bombas no sul do Iraque foi filtrada pelo Pentágono para Michael Gordon, do New York Times, em fevereiro de 2007. A matéria prima, que agora podemos ler é muito mais duvidosa que a versão gerada pelo Pentágono. Por todo o Iraque havia material militar da guerra Irã-Iraque de 1980-1988, e a maioria dos ataques contra os estadunidenses foram levados a cabo nesta etapa por insurgentes sunitas. Por certo os informes que sugerem que a Síria permitiu a travessia de insurgentes por seu território são corretos. Falei com famílias de terroristas suicidas palestinos cujos filhos chegaram ao Iraque a partir do Líbano, por meio da cidade libanesa de Majdal e depois pela cidade do norte da Síria, Aleppo, para atacar os estadunidenses.

No entanto, embora escrita em linguagem militar sucinta, aqui está a evidência da vergonha estadunidense. É um material que pode ser usado por advogados em juízo. Se 66.081 – me encantou este “81” – é a cifra mais alta disponível de civis mortos, então a cifra real é infinitamente mais alta, pois este registro só corresponde aos civis dos quais os estadunidenses tiveram informação. Alguns foram levados ao necrotério em Bagdá em minha presença e foi o oficial encarregado quem me disse que o Ministério da Saúde iraquiano havia proibido os médicos de praticar necropsias dos civis levados por soldados estadunidenses. Por que se deu essa ordem? Teria algo a ver com os 1300 informes independentes estadunidenses sobre tortura nos postos policiais iraquianos?

Eu, no entanto, suspeito que esta revelação massiva de material da guerra do Iraque tenha sérias implicações para jornalistas e exércitos. Por que diabos se envia equipes de repórteres para investigar crimes de guerra, reunindo-se com “gargantas profundas” militares se, em seguida, quase meio milhão de documentos secretos vão acabar flutuando numa tela de computador?

Ainda não chegamos ao fundo da história de Wikileaks e, melhor, suspeito que há ainda vários soldados estadunidenses implicados nessa última revelação. Quem sabe se não chega ao mais alto escalão? Em suas investigações, por exemplo, a Al Jazeera encontrou um extrato de uma coletiva de imprensa de rotina do Pentágono em novembro de 2005. Peter Pace, o nada inspirador chefe de estado maior conjunto, informa aos jornalistas como os soldados devem reagir ante o tratamento cruel de prisioneiros, assinalando com orgulho que o dever de um soldado estadunidense é intervir caso encontre evidência de tortura. Depois a câmera se move em direção da figura muito mais sinistra do secretário de Defesa Donald Rumsfeld, que de pronto interrompe quase num murmúrio, para a grande consternação de Pace: “Não acredito que você queira dizer que os soldados estejam obrigados a detê-la fisicamente. Seu dever é reportá-la”.

Desde então a significação deste comentário – cifradamente sádico a seu modo – perdeu-se nos jornais. Mas agora o memorando secreto Frago 242 traz muito mais luz sobre essa coletiva de imprensa. Enviada presumivelmente pelo general Ricardo Sánchez, a instrução aos soldados é: “Suposto que o informe inicial confirme que as forças estadunidenses não tiveram a ver com o abuso contra os detidos, não se realizará maior investigação, a menos que o alto comando o ordene”. Abu Ghraib ocorreu sob a supervisão de Sánchez no Iraque. Foi também Sánchez, por certo, quem não pôde explicar-me durante uma coletiva de imprensa por que seus homens mataram os filhos de Saddam Hussein em Mosul, em vez de capturá-los.

A mensagem de Sanchez, segundo parece, deve ter tido a aprovação de Rumsfeld. Do mesmo modo, o general David Petraeus – tão amado pelos jornalistas estadounidenses– foi supostamente responsável pelo dramático aumento nos ataques aéreos ao longo de dois anos: de 229 sobre o Iraque em 2006 para 1447 em 2007. Resulta interessante que os ataques aéreos dos Estados Unidos no Afeganistão tenham sido elevados em 172% desde que Petraeus assumiu o comando militar da região.

Tudo isso torna ainda mais assombroso que o Pentágono agora se escandalize porque a Wikileaks poderia ter sangue nas mãos. O Pentágono tem estado manchado de sangue desde que deixou cair uma bomba atômica sobre Hiroshima em 1945, e para uma instituição que ordenou a invasão ilegal em 2003 – por acaso a cifra de civis mortos não foi ali de 66 mil, segundo suas próprias contas, de uns 109 mil registrados? – torna-se ridículo afirmar que Wikileaks é culpada de homicídio.

A verdade, é claro, é que se este vasto tesouro de informes secretos tivesse demonstrado que a quantidade de mortos era muito menor do que a aquilo que a imprensa informava, que os soldados estadunidenses nunca toleraram a tortura por policiais iraquianos, que raras foram as vezes em que dispararam em civis detidos e sempre levaram os mercenários assassinos a juízo, os generais estadunidenses teriam entregue esses expedientes à imprensa sem peso algum nas escadarias do Pentágono. Não só estão furiosos porque se rompeu o segredo ou porque se tenha derramado sangue, mas também porque pegaram-lhes dizendo as mentiras que sempre souberam que diziam.

Tradução: Katarina Peixoto

A verdade desnuda no Iraque

O Afeganistão e a defesa do Império

“A única razão de a ocupação continuar é a de que assumir o fracasso total exporia a vulnerabilidade do Império.” A frase é do professor de Filosofia da Universidade de Maryland Andrew Levine a respeito do Afeganistão, roubada da Carta Capital da semana passada.

Poucas palavras, mas de um significado grande. São aquelas coisas da política que, por tão discutidas, passam como decisões de gabinete, apenas. De fato, coisas da política. Mas peraí, tudo bem que não interessa expor o Império, pelo menos para o próprio. Mas, colocada ao pé da letra, a decisão é de uma desumanidade assombrosa. A defesa da imagem de uma nação – porque é só isso: imagem – importa mais que pessoas, vidas. Porque tem gente morrendo, gente sofrendo por causa dessa imagem. Não quero um pensamento simplista, mas não é isso, no fim das contas?

O Afeganistão e a defesa do Império

Os soldados de Israel

soldados israelHoje em dia é feio defender Israel. Especialmente quem é de esquerda não pode achar nada de positivo na Terra Santa. É o país apoiado pelos Estados Unidos, militarizado, especialista em guerra, que oprime os palestinos e blá blá blá. Ok, é tudo isso, sim. Mas convivi durante dez dias com uma realidade um pouco diferente. Na verdade, com um ponto de vista diferente.

Israel é o Estado judeu defendido por um povo oprimido inúmeras vezes ao longo da história. A mais famosa é recente ainda. Seis milhões de judeus foram mortos no Holocausto. Seis milhões é muita gente, ainda mais pra um povo fechado, que não cresce muito. Ok, atrocidade não justifica atrocidade, mas esses repressões de que o povo judeu foi vítima explicam muita coisa.

Falo com relação ao povo. Sobre o governo, não me sinto apta a falar, pelo menos por enquanto. Convivi diretamente com soldados israelenses. Meu guia israelense, não o que organizava as atividades, mas o que explicava o que estávamos vendo, na verdade era gaúcho. Ele merece um post só pra ele, então não vou falar muito. É suficiente dizer que ele decidiu ir para Israel para lutar no exército e defender esse Estado judeu. Virou paraquedista, da elite do exército. Agora não está mais lá, mas é reservista até os 40 anos e pode ser chamado em caso de guerra, como qualquer soldado. Além dele, cinco soldados israelenses se juntaram ao nosso grupo durante cinco dias. Nenhum deles era terrorista, eles não gostavam de matar pessoas. Eram gente boa, jovens como todos nós, alguns muito bonitos, fizeram festa com a gente. Normais, o que é óbvio, mas nem tanto. Três deles eram mulheres. Conversamos também com mais alguns soldados que passaram pela gente em alguns momentos.

O que se vê lá é um amor por aquela terra que é muito diferente do amor imenso que o brasileiro sente pelo Brasil. Lá o que é muito forte é a necessidade de defender Israel para que ele não deixe de existir. É um Estado muito recente, mas os israelenses têm um sentimento de pertencimento àquela terra de séculos, milênios. Aquela, para eles, é a terra do povo judeu. Apenas um dos soldados me deu a impressão de que odeia os muçulmanos. Os outros parecem acreditar de verdade que fazem o que podem, que não matam porque são maus, mas só quando há necessidade extrema. Que o fato de morrer menos israelenses do que palestinos deve-se apenas à qualidade do exército, que se defende bem, e isso é um ponto positivo. Um deles me disse que o exército de Israel é um exército de defesa, não de ataque. E falou sinceramente, pude notar.

Israel é a terra para onde todos os judeus do mundo podem ir. É onde eles querem que se una o povo judeu e onde ele se fortaleça. É um porto seguro pra quem teve que fugir tantas vezes de suas casas, de suas terras. Para os judeus sionistas, ali é sua casa, a casa de todos os judeus. A terra de Israel é uma proteção para esse povo, e isso não é errado.

Sionismo, só pra esclarecer, é a defesa da existência de um Estado judeu. Em suma, a defesa da existência de Israel, a terra do povo judeu. O programa de que eu participei, como não poderia deixar de ser, é sionista. Senão não nos levariam pra lá, certo? E essa ideologia nos foi passada durante todos os dias do programa. Nos foi passada, não nos enfiada goela abaixo. Foi de forma muito intensa, mas muito sincera. Nos falavam do Estado de Israel com muita sinceridade e muito amor. Por conta disso, era muito forte a forma com que essa ideologia chegava até nós.

Só pra ficar claro, não estou defendendo guerra, evidentemente, muito menos a postura de Israel. Só estou tentando entender a motivação dos soldados comuns, daqueles que não têm poder de decisão e ainda assim sentem orgulho de lutar em nome de um Estado judeu. Eles não são criminosos por conta disso. Eles defendem uma causa, não querem matar pessoas (de um modo geral). E eles querem paz, sonham com isso. Mas, se perguntares a um soldado se há solução para os confrontos, ele vai dizer que não enxerga nenhuma. E vai ficar triste com isso.

Os soldados de Israel