Programação I #BlogProgRS

Inscrições gratuitas aqui

18h30 — Credenciamento e abertura com autoridades e convidados;

19h30 — Mesa de abertura: “As mídias digitais e a democratização da democracia”.

28 de maio, Sábado

09h00 — Mesa de debates: “A importância estratégica e a viabilização da comunicação digital”;
11h00 — Debate e perguntas de plenário, respostas e considerações da mesa;
12h00 — Almoço;
14h00 — Mesa de debates: “Políticas públicas para comunicação digital”;
16h00 — Oficinas simultâneas;
17h30 — Relatos e experiências de blogs: Cultura Crossdresser, Salto Alto Futebol Clube, El blog de Norelys e Teia Livre;

29 de maio, Domingo

09h00 — Debate de plenário sobre o II BlogProg Nacional, elaboração da Carta dos Blogueir@s e Tuiteir@s Gaúch@s;
11h15 —
Coffee Break;
11h45 — Deslocamento para o Parque da Redenção;
12h15 — PIG PARADE no Parque da Redenção.

*A agenda poderá ainda sofrer alterações.

—–

Mesas de debates

As mídias digitais e a democratização da democracia

Vera Spolidoro — Secretária de Comunicação e Inclusão Digital do Estado do Rio Grande do Sul;

Altamiro Borges — Jornalista, blogueiro (Blog do Miro, http://altamiroborges.blogspot.com/), presidente do Centro de Estudos de Mídia Alternativa Barão de Itararé (http://www.baraodeitarare.org.br/), ativista pela democratização da comunicação, organizador do BlogProg nacional, membro do Comitê Central do PCdoB (Partido Comunista do Brasil) e autor do livro “Sindicalismo, resistência e alternativas”.

Marcelo Branco — Profissional de TI, ativista pela liberdade do conhecimento.

A importância estratégica e a viabilização da comunicação digital

Eduardo Guimarães — Blogueiro (Blog da Cidadania, http://www.blogcidadania.com.br/), comerciante, ativista político (presidente do Movimento dos Sem Mídia), organizador do BlogProg nacional.

Leandro Fortes — Blogueiro (Brasília, Eu Vi, http://brasiliaeuvi.wordpress.com/). Organizador do BlogProg nacional. Jornalista, repórter da revista Carta Capital. É autor dos livros Jornalismo Investigativo, Cayman: o dossiê do medo, Fragmentos da Grande Guerra e Os segredos das redações. É criador do curso de jornalismo on line do Senac-DF e professor da Escola Livre de Jornalismo.

Gabriela Zago — Jornalista gaúcha e pesquisadora de comunicação e jornalismo nas redes sociais digitais, blogueira (http://www.gabrielazago.com/), doutoranda em comunicação e informação, colaboradora do TwitBrasil e da Wave Magazine.

Luiz Carlos Azenha — Jornalista, blogueiro (Vi o mundo, http://www.viomundo.com.br/), organizador do BlogProg nacional. Foi correspondente internacional da Rede Manchete, do SBT e da Rede Globo. Atualmente, faz reportagens para a Rede Record e é diretor geral do programa Nova África da TV Brasil.

Renato Rovai — Blogueiro (Blog do Rovai, http://www.revistaforum.com.br/blog/). Jornalista, editor da revista Forum. Organizador do BlogProg nacional.

Políticas públicas para comunicação digital

Cláudia Cardoso — Diretora de Políticas Públicas da Secretaria de Comunicação e Inclusão Digital do Governo do
Estado do Rio Grande do Sul;

Vinícius Wu — Secretário Chefe de Gabinete do Governador do Estado do Rio Grande do Sul, coordenador do Gabinete Digital.

Debatedor: Marco Weissheimer — Jornalista, blogueiro (RS Urgente, http://rsurgente.opsblog.org/), editor da revista eletrônica Carta Maior (http://www.cartamaior.com.br/)

Oficinas simultâneas

Administração e ferramentas para blogs

Tatiane Pires — estudante de ciência da computação na PUC/RS, é programadora e webdesigner, escreve no blog tatianeps.net e colabora no portal Teia Livre (http://www.teialivre.com.br).

Redes Sociais

Mirgon Kayser — Assessor de Organização, Sistemas e Métodos da Fundação Cultural Piratini – TVE/RS e FM Cultura. Blogueiro, autor do Blog do Mirgon (http://blogdomirgon.blogspot.com/).

Relatos e experiências de blogs

Luísa Stern — Cultura Crossdresser (http://www.culturacd.com/)
Roberta Konzen e Quetelin Rodrigues — Salto Alto Futebol Clube (http://saltoaltofutebolclube.wordpress.com/)
Norelys Morales — El blog de Norelys (http://islamiacu.blogspot.com/)
Marco Aurélio — Teia Livre (http://www.teialivre.com.br)

Anúncios
Programação I #BlogProgRS

Por uma comunicação pública e plural no governo Tarso

Um grupo de profissionais ligados à comunicação entregou hoje de manhã um documento com propostas para o setor para o governador eleito Tarso Genro. As ideias contidas no texto são fruto de um debate plural, com 85 pessoas que participaram de duas plenárias para discutir propostas e encaminharam suas contribuições. Foram 18 contribuições por escrito recebidas pela equipe que estruturou o projeto. Aliás, vale mencionar o nome do pessoal que compõe esse grupo: Milena Weber, Vera Spolidoro, Ilza do Canto, Dica Sitoni, Pedro Osório, Bita Sória, Guaracy Cunha, João Ferrer, Marco Weissheimer, Celso Schröder e os representantes do PSB Daniela Miranda, Rodimar Oliveira e Daniel Lopes e do PCdoB, Clomar Porto.

Sobre o documento, ele faz o principal: dá a linha política que defendemos para um governo petista na área da Comunicação. É um setor estratégico, de extrema importância para o governo, mas, essencialmente, fundamental para a sociedade.

E foi isso que se tentou passar ali, que a comunicação tem que ser pública e plural. Que o governo deve ser o responsável por garantir o acesso da população à informação e aos meios de produção de conteúdo. Que deve implementar políticas públicas.

Para isso, ali vão sugestões de políticas a serem bancadas pelo governo através da Secretaria de Comunicação a ser criada por Tarso.

As mídias digitais ganham bom espaço no documento, o que demonstra uma preocupação com as mudanças na forma de se comunicar, mas é importante destacar que a visão 2.0 de comunicação tem que se espalhar por todo o governo. É preciso que cada secretário absorva a linguagem da internet e que veja a rede como uma possibilidade de ampliar a informação que chega ao cidadão, furando bloqueios.

O documento enfatiza também a relevância de se implementar um conselho de comunicação, não subordinado à Secretaria, para garantir sua independência, e com a participação da sociedade civil, através da representação de seus mais diversos setores.

—————–

Foto: Caco Argemi

Por uma comunicação pública e plural no governo Tarso

Até crianças foram espionadas no Rio Grande do Sul

Tarso Genro, Stela Farias, Marco Weissheimer, um menino de oito anos. O que eles têm em comum? Junto com mais dezenas de pessoas, foram espionados pelo esquema armado dentro do Piratini. O menino de oito anos a que me refiro é o filho da deputada estadual Stela Farias, do PT. Fotos dele e de seus dois irmãos apareceram na investigação.

Há nomes de diversos campos políticos, uma série de jornalistas – independentes e ligados a veículos -, delegados, filhos de deputados, de juízes. Não é um crime menor. É violação de sigilo, com fins políticos, para prejudicar grupos políticos. Olhando assim meio rápido, parece que Tarso Genro pode ficar chateado por ter sua vida devassada. Mas esse tipo de crime tem consequências muito maiores.

Primeiro, que expõe qualquer um de nós aos olhos de quem tiver poder para futricar nos dados sigilosos, o que não deveria acontecer. Depois porque, mesmo que a minha vida esteja protegida por não ter sido investigada, o fato de um grupo político se prevalecer de informações sigilosas para prejudicar outro pode influenciar estratégias políticas, distorcendo informações – especialmente por investigar jornalistas, como o Marco, do RS Urgente -, prejudicando eleições. O cidadão não tem uma política limpa e justa para escolher com clareza seus candidatos. O resultado pode ser sentido nas decisões políticas e, consequentemente, no cotidiano de cada um.

Espionagem e contra-espionagem

Vale destacar que nem todos os nomes da lista encontram-se nela por estarem sendo investigados. Alguns constam ali para se saber se eles sofriam algum tipo de investigação. Para protegê-los. Ou seja, o fato de Yeda estar na lista não a absolve. Aliás, muito pelo contrário, já que o sargento César Rodrigues de Carvalho, preso pela espionagem, estava lotado na Casa Militar do governo do estado como segurança da governadora. Sempre me ponho a pensar na repercussão que teria se a situação fosse exatamente a mesma, mas invertida, se o governador fosse do PT.

Silêncio na imprensa

Ainda assim, na noite de hoje, o assunto sequer aparecia na capa da Zero Hora.com. Pior, não estava na página de eleições do jornal. A imprensa gaúcha tenta esconder os escândalos recentes ligados ao governo do estado. Interessa mais catapultar os factóides que prejudicam Dilma – e não se trata aqui de tratar de duas formas assuntos iguais: não há ligação nem distante comprovada do PT com a espionagem na Receita Federal, ao contrário do que acontece no Rio Grande do Sul.

Até o Valor Econômico deu o esquema de espionagem hoje, com o título Servidor de Yeda Crusius é preso por acesso a dados (disponível só para assinantes). Na imprensa gaúcha, silêncio.

————

Stela nem queria responder sobre o assunto, para não ser acusada de usar os filhos com motivação eleitoral. Mas sua indignação é grande e legítima. Que mantenha os filhos longe do assunto, mas uma resposta é necessária. Afinal, não foi ela que tomou a iniciativa de investigar crianças.

————

A lista de investigados (seja para descobrir podres ou para proteger) já divulgada (do Blog da Rosane de Oliveira):

– Adão Paiani – Ex-ouvidor da Secretaria da Segurança

– Ana Claudia Mazzali – capitã da Brigada

– Coronel Bondan – Brigada Militar

– Coronel Quevedo – Brigada Militar

– Chefes dos Serviço de Inteligência do CPM e do V COMAR

– Claudio Manfroi – ex-presidente do PTB

– Edilson Paim – delegado de polícia

– Eliseu Santos – ex-secretário da Saúde (acesso feito depois do assassinato)

– Flávio Conrado – delegado de polícia

– Flavio Koutzii – ex-deputado do PT

– Heliomar Franco – delegado de polícia

– Jefferson de Barros Jacques – major da Brigada

– Lair Ferst – pivô do escândalo do Detran

– Luis Augusto Lara – deputado estadual do PTB

– Luis Carlos Busato – deputado federal do PTB

– Marco Aurélio Weisshmeimer – jornalista do site RS Urgente

– Maria Lúcia Streck – jornalista (ex-Zero Hora)

– Nereu Lima – advogado (a confirmar)

– Roberto Sirotsky Gershenson

– Políbio Braga – jornalista

– Rafael Colling – jornalista da Rádio Gaúcha (a confirmar)

– Ranolfo Vieira Jr. – delegado de polícia

– Ricardo Lied – ex-chefe de gabinete da governadora

– Sandra Terra – assessora da governadora

– Sérgio Zambiasi – senador do PTB

– Stela farias – deputada estadual do PT

– Tania Regina Silva Reckziegel – presidente do PTB Mulher

– Tarso Genro – ex-ministro e candidato do PT a governador

– Telma Cecília Torran

– Vanessa Guazzelli Braga

– Walna Vilarin Menezes – assessora da governadora

– Yeda Rorato Crusius – governadora do RS

Até crianças foram espionadas no Rio Grande do Sul

Somos Andando na Semana Acadêmica da Fabico

O Somos Andando vai dividir uma mesa com o RS Urgente na Semana Acadêmica da Comunicação da UFRGS. Eu e Marco Weissheimer vamos falar sobre “Blogs como veículo do jornalismo”, às 14h do dia 27, a próxima quinta-feira, no auditório da Fabico (Ramiro Barcelos, 2705 – atrás do Planetário). Todos convidadíssimos.

Mais informações sobre como participar, outras discussões, oficinas e tudo o mais no blog da Semana. Eles também estão no Twitter (@sacfabico), no Orkut e no Facebook.

Lembrando que a Semana Acadêmica é de 24 a 27, mas no dia 20 às 18h30min vai acontecer a Mesa de Discussão de Lançamento.

Somos Andando na Semana Acadêmica da Fabico

Uma feira do povo: “Eles não são de fora, são daqui”

Não deu para não roubar do RS Urgente o ótimo texto de Marco Weissheimer e a foto de Eduardo Aigner que mostra o Cais lotado:

No show inesquecível que reuniu sábado à noite, no Gasômetro, nomes antológicos do rock gaúcho (Wander Wildner, Julio Reny, Frank Jorge & cia), lá pelas tantas um dos músicos comentou ao microfone: “Tem que vir gente de fora para acontecer uma coisa legal assim na cidade”. A coisa legal não era apenas o show, mas toda a Feira Nacional de Agricultura Familiar, sucesso absoluto de crítica e público. O comentário foi imediatamente seguido de uma correção: “Eles não são de fora, são daqui”. Eles, no caso, eram os organizadores da Feira, o “pessoal do MDA” (Ministério do Desenvolvimento Agrário). Foi logo no início do primeiro governo Lula que o pessoal daqui assumiu o MDA com Miguel Rossetto. Quando Rossetto deixou o ministério, quem assumiu foi Guilherme Cassel, gente daqui também. A alegria estampada no rosto de organizadores, feirantes, visitantes e participantes do evento realizado no Cais do Porto, à beira do Guaíba, foi a maior prova de que a política pode ser feita para causar bem estar e felicidade.

Poucas vezes, nos últimos anos, viu-se uma atividade pública cercada por tão alto astral. Parecia uma Feira do Livro às margens do Guaíba. Lembrou os melhores dias do Fórum Social Mundial. E mostrou, acima de tudo, o acerto da política de valorização da agricultura familiar no Brasil. Diversidade, riqueza de sabores, cores, cheiros, formas e pessoas. De fato, foi uma coisa muito legal, feita por gente daqui que se mudou para Brasília e que se sentiu muito feliz e justificadamente orgulhosa ao ver a alegria no rosto de seus conterrâneos. Por sinal, um deles comentou: “a gente foi ali, mas já volta.”

Um governo como o de Yeda Crusius jamais oferecerá algo parecido para a população. Por uma razão muito simples: trata-se de gente que não gosta de cheiro de povo.

Uma feira do povo: “Eles não são de fora, são daqui”

O novo portal do jornalismo político gaúcho

O Rio Grande do Sul tem novo endereço: Sul 21

Marco Weissheimer – RS Urgente

Preparem-se homens e mulheres de pouca fé.
Acharam que estavam condenados a contemplar o choque da uva?
Sem nenhum outro mundo possível?

Seus problemas acabaram. Vem aí o Sul 21.
O novo espaço da comunicação do Rio Grande do Sul.
Da política com P maiúsculo.

Não, vocês não estão sonhando.
Vem aí uma novidade extraordinária.
Preparem-se!

Em maio, a Política tem novo endereço na maltratada Província de São Pedro.

Vem aí a verdadeira pacificação: o Rio Grande buscando a paz que sua história luta para conquistar. Uma paz que sabe que não tem futuro sem luta, sem compromisso com a verdade e com o sentido de sua própria história.

A música do filme Swing, de Tony Gatlif, que junta vozes em idiche, árabe e romeno/cigano, línguas de povos oprimidos, indica o espírito do que vamos ver, ler e ouvir…O espírito que inspirou e acolheu o Fórum Social Mundial. Várias vozes, dialetos, sons, sabores e cores para falar sobre vidas, angústias, alegrias, dores e amores. Sem manuais. Mais informações virão nos próximos dias…

O novo portal do jornalismo político gaúcho

Cultura no RS: uma espécie em extinção

Já não bastassem os escândalos de corrupção – inclusive com uma morte ainda mal explicada -, o descaso com o funcionalismo público, a criminalização dos movimentos sociais, a falta de investimentos em praticamente todos os setores em busca de um falso déficit zero e tantas outras mazelas que os gaúchos enfrentam em função de medidas pouco responsáveis do governo do Estado do Rio Grande do Sul, agora chegou a vez da cultura.

Ultimamente, ela tem sofrido no RS, coitada. Primeiro, com o sucateamento e a ameaça de fechamento da TVE e da rádio FM Cultura. Essa semana, as coisas pioraram. Foi anunciada a extinção da tradicional sala de cinema Norberto Lubisco, na Casa de Cultura Mário Quintana, e hoje, a demissão do presidente do Memorial do Rio Grande do Sul, o historiador Voltaire Schilling.

Voltaire é uma figura polêmica. No fim do ano passado, gerou o maior bafafá ao criticar a Bienal e questionar o conceito de arte contemporânea. Mas é um cara de muito valor, com diversos livros publicados e respeitado na sua área. A justificativa usada pela secretária de Cultura, Mônica Leal (do reacionário PP), foi de que Voltaire teria feito viagens com dinheiro público. Nem a Rosane de Oliveira acredita na versão do governo.

O caso da sala Norberto Lubisco também é triste. Não é só por Porto Alegre perder um espaço cultural, mas por perder um espaço que realmente valorizava a cultura. E de forma popular. Seus ingressos eram bem mais baratos que os das salas de cinema dos shoppings e sua programação, bem mais interessante. Filmes que não passavam pelo circuito comercial, ou que só davam uma chegadinha rápida, tinham a possibilidade de ser assistidos no Centro de Porto Alegre. Os argumentos de violência e dívidas para justificar o fechamento não convencem. Três funcionários foram demitidos.

Marco Weissheimer repara que não há menção ao fechamento da sala no site da Secretaria da Cultura. O site da CCMQ continua tratando da sala como um de seus espaços ativos. E faz uma crítica coerente com relação à dona da pasta: Mônica Leal confunde cultura com tradições gaúchas, a única coisa que ela parece valorizar.

E o pior é que não é de hoje que a cultura vai pro brejo no estado. Um texto com o título Cultura caindo aos pedaços no RS foi postado no RS Urgente em novembro de 2008. É uma pena.

Cultura no RS: uma espécie em extinção