De dar inveja a Murdoch

Olha como funciona a imprensa no Brasil (e foco no Brasil porque é o objeto em questão, mas não é excluisividade nossa):

Um jornalista, funcionário de uma revista que, apesar de antiética e mentirosa, é a que mais vende no Brasil, invade a privacidade de um político e de um monte de outras pessoas que não têm nada a ver com a história. No caso, trata-se de ação que atenta não apenas contra a ética, mas contra a lei.

Como fruto de sua ação ilegal, descobre que este político recebe outros políticos em seu quarto de hotel. Ao contrário do que fez a revista, nada ilegal. Tampouco antiético.

Em seguida, ela publica a grande descoberta como uma grande denúncia. Não fica muito claro o que está sendo denunciado, mas como o tom é grave todo o mundo acredita que o político fez coisa muito feia.

O escândalo vem à tona, e as maracutaias pra conseguir a informação são descobertas e provadas.

Aí, ao contrário do que aconteceu eu outro dos países que têm uma imprensa tão podre quanto a nossa, os seus pares (concorrentes, diga-se) iniciam uma operação de abafa. A ponto de acontecer o que pode ser lido neste link da Zero Hora. O jornal gaúcho tenta explicar o que ele chama de “Caso Dirceu”. E faz isso sem mencionar a invasão ao quarto de hotel do ex-ministro José Dirceu pelo repórter Gustavo Nogueira Ribeiro, da revista Veja. Torna-se, pois, cúmplice, se não da perspectiva legal, ao menos da perspectiva moral.

O jornal cita a revista para lembrar que Dirceu atuou no mensalão, teve seus direitos políticos cassados e responde a processo, quase como que justificando o que fez o repórter, mais ou menos como um “ladrão que rouba ladrão”… O jornal mantém o tom de denúncia, mas o conteúdo permanece vazio. A denúncia de nada ilegal, de nada antiético, sequer a afirmação da capa (de que Dirceu conspira contra o governo) se consegue provar. Não vai além de suposições furadas, como mostra Conceição Lemes no Viomundo. O que se vê é um jornalismo covarde e mau-caráter, que não só pratica como protege a prática de atitudes antiéticas.

Aí fica até engraçado. A revista usa meios ilegais para tentar forçar uma acusação fraca de nada consistente pra enfraquecer o governo. Critica nos outros ações que incluem mau-caratismo e atitudes criminosas nos outros mas, no fim das contas, só ela pratica. E o resto da imprensa finge não ver. Murdoch adoraria.

De dar inveja a Murdoch