O discurso conservador de Marina Silva

Quatro anos atrás, Heloísa Helena serviu direitinho aos interesses da direita. Saiu como oposição ao governo do qual fizera parte, mas do qual saíra brigada, por não concordar com a política posta em prática. Saiu com propostas mais à esquerda, que serviram à direita por dividir, polemizar, tirar votos de Lula. Talvez o metalúrgico tivesse ganhado ainda no primeiro turno, vai saber… Mas tudo bem, faz parte da política, e não contesto a posição do PSOL. Acho que foi honesta, apesar de não ter se mostrado muito inteligente (vide o encolhimento do partido que se seguiu a isso e não parou desde então).

Marina Silva, hoje, serve igualmente à direita. Mas com duas diferenças fundamentais. Primeiro, porque saiu do governo “de bem” com Lula, e virou verde – e oposição – por interesses eleitorais, coisas que eu não imaginava que ela faria. O PV, no Brasil, apesar de ancorado na nobre causa do ambientalismo, é um partido oportunista, estilo PTB.

A segunda diferença de Marina para Heloísa é que Marina serve à direita também no discurso. É contra o aborto, não se posiciona muito com relação aos homossexuais, esses dias justificou as privatizações de FHC, e a cada dia aparece uma peripécia nova. Exemplos do Painel RBS realizado essa semana deixam isso bem claro.

Da Zero Hora de ontem (19), páginas 4 a 6:

Gostaria de saber se isso inclui o neoliberalismo, não só adotado pelo país, mas imposto ao resto do mundo como forma de consolidar sua hegemonia; a política de bem estar social, que beneficia a classe média enquanto aumenta a pobreza; o racismo; a exploração de imigrantes; a política armamentista; a expansão a qualquer custo e a qualquer pretexto; a caça aos que pensam diferente (macartismo, guerra com URSS, perseguição a guerrilheiros, invasão a Cuba); a promoção da quebradeira de outras nações, a começar por Cuba, através de um bloqueio direto e a culminar com a Argentina, através de sanções econômicas; o desenvolvimento de armas nucleares; a busca incessante pelo acúmulo desenfreado e sem objetivo, traduzido na especulação etc. etc. etc.

Opa, peralá, defende alianças até com PSDB, mas critica PT por coligar com setores do PMDB. Como escolher os “melhores de cada legenda”. Marina, política de alianças é negociação, e o partido atua como um todo. Com divergências internas, mas normalmente se tira uma posição geral. Não tá vendo isso agora na coligação que vai lançar Dilma com Temer? No RS, é parecido, o PMDB está todo dividido no apoio ao candidato a presidente, mas deve tomar uma única posição antes das eleições. Visivelmente, Marina está querendo agradar a direita sem perder o discurso (falso) de moralidade que a sustenta.

Essa é só pra constar o que a maioria já sabe e que eu acho um desaforo. Crenças à parte, Assembleia de Deus é sacanagem.

Então quer dizer que no principal arrimo do projeto de Marina ela tropeça? Até na parte ambiental já está fazendo concessões para agradar todos os setores. No discurso dos transgênicos, o que orienta são os interesses de mercado: vale produzir um pouco de orgânico e um pouco de transgênico porque se pode vender tanto para quem prefere um quanto para quem gosta de outro. E o meio ambiente? E a saúde?

O discurso conservador de Marina Silva