Entrevista com Julian Assange

Feita em julho de 2010, quando o WikiLeaks já tinha publicado um grande número de documentos de interesse público internacional. Para legendas em português, selecionar o comando na barra inferior do vídeo.

Anúncios
Entrevista com Julian Assange

As velhas novidades do WikiLeaks

Nenhuma novidade na terrinha. Um monte de documentos veio à tona através de uns vazamentos. O responsável pela publicação – não por vazar os dito-cujos, fique bem claro – foi preso, é o inimigo número 2 dos Estados Unidos. Muito se tem questionado o motivo de sua prisão. Comentaristas apontam para o fato de ele não ter cometido crime ao divulgar os documentos e a falta de coerência na sua prisão enquanto outros que ajudaram a espalhar a notícia continuam soltos e louvados como defensores da liberdade de imprensa. Mas tem outra questão.

Por que tanto esforço pra prender o cara se a única coisa que ele fez foi provar aquilo que todo o mundo já sabia? Afinal, o que apareceu de mais polêmico, entre outros, foi que:

– Os Estados Unidos se acham os donos do mundo e querem que todos os países – que julga inferiores – lhe prestem obediência;

– O ministro da Defesa brasileiro, Nelson Jobim, é devoto do imperialismo norte-americano e não é confiável;

– O PSDB quer entregar o Brasil de lambuja para investidores estrangeiros;

– O Vaticano procurou esconder casos de pedofilia envolvendo padres;

– O ex-presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, gostaria de ter invadido a Venezuela com forças militares;

– As mudanças no Código Florestal propostas pelo deputado Aldo Rebelo (PC do B) favorecem interesses estrangeiros;

– O golpe sobre Manuel Zelaya em Honduras foi exatamente isso, um golpe, inconstitucional.

Qual a novidade? Fora, é claro, a comprovação de que não somos loucos paranóicos por dizer tudo isso tempos antes de ser comprovado, como a mídia brasileira gostava de fazer crer.

Mais informações qualificadas sobre os vazamentos do WikiLeaks no blog mantido pela jornalista independente Natália Viana na Carta Capital.

As velhas novidades do WikiLeaks

Denúncia de omissão nos órgãos públicos

Um botijão de gás começou a vazar com muita força no meu apartamento hoje pela manhã. O gás saía como se tivesse sido aberto um buraco no botijão. Tomou conta de todo o ambiente, com um cheiro forte e nauseante. Deu dor de cabeça e tonturas, a boca ficava seca. Ligamos para o Corpo de Bombeiros, que, incrivelmente, avisou que eles não fariam nada, devíamos ligar para a empresa que vendeu o botijão.

Tentamos denunciar o caso na Brigada Militar, no 190, para que a empresa fosse responsabilizada e recebêssemos alguma orientação de como proceder, o que fazer para resolver o problema. Mas a pessoa que atendeu o telefone disse que não tinha “faculdades mentais” pra orientar nesse caso. Nessas palavras, ele falou sobre si mesmo.

A empresa mandou um técnico, que levou o botijão e resolveu o problema. Foi ele quem informou que colocar um pano úmido sobre o vazamento faria com que ele parasse. Os órgãos públicos foram omissos.

As tentativas de entrar em contato novamente com o Corpo de Bombeiros foram várias, enquanto o atendente da empresa não chegava e o gás continuava vazando, mas o telefone simplesmente não atendia mais. Se tivesse pego fogo no prédio, teríamos que apagar com os pequenos extintores que os edificios são obrigados a ter.

Repito insistentemente: os órgãos públicos de defesa do cidadão foram completamente omissos. Irresponsáveis, eu diria.

Denúncia de omissão nos órgãos públicos